Info

Alentejo, Algarve e Andaluzia unem-se em projeto de centro ibérico de 24,6ME

| Economia
Porto Canal com Lusa

Évora, 28 jun (Lusa) -- A investigação e o combate aos incêndios florestais estão a unir as regiões portuguesas do Alentejo e Algarve e a espanhola da Andaluzia num projeto transfronteiriço, de 24,6 milhões de euros, a apresentar em Évora, na segunda-feira.

O projeto, designado CILIFO - Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Florestais, envolve 15 instituições e organismos da Eurorregião Andaluzia-Algarve-Alentejo, como agências especializadas, municípios e universidades.

Um dos parceiros portugueses, o único do Alentejo, é a Universidade de Évora (UÉ), que, na segunda-feira, é "palco" da apresentação pública e das jornadas de lançamento do CILIFO, a partir das 11:30, no Colégio Luís António de Verney, revelou hoje a academia alentejana.

A investigação e o fortalecimento da cooperação entre universidades e os sistemas de proteção civil no apoio à prevenção e combate aos incêndios florestais na Andaluzia e no sul de Portugal estão no centro do projeto, que inclui um plano comum de investigação, formação e sensibilização a desenvolver nas três regiões, indicou a UÉ.

O investigador responsável pelo projeto na UÉ, Rui Salgado, explicou hoje à agência Lusa que o CILIFO conta com um financiamento de 24,6 milhões de euros, sendo cofinanciado a 75% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no âmbito do Programa de Cooperação INTERREG V-A Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020.

O que "espoletou o lançamento" da iniciativa, cuja candidatura foi aprovada no ano passado, apesar de as ações arrancarem este ano, teve a ver com os incêndios e "as tragédias" ocorridos em Portugal em 2017, frisou.

Desde então, "em Portugal, houve muitas entidades a preocuparem-se com os incêndios, têm aberto diferentes programas para projetos" nesta área e "criou-se na opinião pública, mas também nas instituições a necessidade de se intensificar o combate" aos fogos, disse.

Mas, continuou, para tal, "sentiu-se a necessidade de melhorar a investigação, para se saber melhor como é que se vai combater, e ter também em atenção que as condições atualmente, nomeadamente do ponto de vista do clima, são diferentes" hoje em dia, pelo que as alterações climáticas são uma variável a considerar "nas estratégias para a prevenção e o combate aos incêndios".

Segundo Rui Salgado, "grande parte do financiamento" vai ser aplicado em infraestruturas, como na criação do CILIFO, que vai ficar em Huelva, na Andaluzia, e na "formação para o combate aos incêndios florestais dos próprios operacionais", assim como "na sensibilização das populações e dos estudantes para um conjunto de medidas que podem tomar" para prevenir fogos.

O CILIFO "também tem uma componente importante na área da investigação" e esse "vai ser o principal trabalho" da UÉ, através de três centros de investigação, assinalou.

Os institutos de Ciências da Terra (com especialistas em deteção remota, meteorologia e clima) e de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (engenharia florestal, fogos florestais e deteção remota) e o Centro de Investigação em Matemática e Aplicações (modelação matemática de apoio, particularmente à prevenção dos incêndios) são as unidades.

"Três anos é algum tempo, mas não é muito", admitiu Rui Salgado, quanto à duração do projeto, assumindo que, no final, o objetivo é que o centro esteja montado em Huelva, que a rede de ligações entre parceiros se prolongue e que a investigação a desenvolver na UÉ permita "um salto qualitativo" que ajude a "prevenir melhor" os incêndios florestais.

O beneficiário principal do CILIFO é a Junta da Andaluzia. Os outros participantes espanhóis são a Agência do Meio Ambiente e Água da Andaluzia, a Agência Estatal Conselho Superior de Investigações Científicas -- Estação Biológica de Doñana, as fundações Once e Finnova, Instituto Nacional de Investigação e Tecnologia Agrária e Alimentar e as universidades de Cádis, Córdoba e Huelva.

Do lado de Portugal, além da universidade alentejana, são parceiros do projeto a Comunidade Intermunicipal do Algarve e as câmaras municipais de Castro Marim, Loulé, Monchique e Tavira, no distrito de Faro.

RRL // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Algarve recebe 20 aviões de turistas para estadias na segunda-feira mas adeptos da final da Liga dos Campeões não podem pernoitar no Porto. Turismo Porto e Norte não compreende

Luís Pedro Martins, Presidente do Turismo Porto e Norte, afirma que não consegue "deslumbrar uma razão" pela qual os adeptos da final da Liga dos Campeões, a decorrer no Estádio do Dragão no Porto, no dia 29 de maio, não possam pernoitar na cidade, sendo que estão previstos 20 aviões de turistas para estadias no Algarve já para o dia 17 de maio.

Bruxelas revê em baixa crescimento de Portugal para 3,9% este ano

A Comissão Europeia (CE) reviu hoje em baixa o crescimento económico esperado para Portugal este ano, apontando agora para 3,9%, quando em fevereiro esperava 4,1%, de acordo com as previsões económicas de primavera hoje divulgadas.

Luís Filipe Vieira e Promovalor vão deixar por pagar 160 milhões de euros ao Novo Banco

Luís Filipe Vieira e Promovalor vão deixar por pagar 160 milhões de euros ao Novo Banco

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m