Coleção portuguesa em mostra na Áustria sobre Arte Bruta criada por mulheres

| País
Porto Canal com Lusa

São João da Madeira, Aveiro, 14 jan (Lusa) - A Coleção Treger Saint Silvestre, integrada na exposição permanente da Oliva Creative Factory, em São João da Madeira, vai ceder, a um centro cultural austríaco, diversas obras de Arte Bruta assinadas por mulheres, revelou hoje fonte da instituição portuguesa.

As peças daquela que é apontada como uma das maiores coleções mundiais de Arte Bruta - também conhecida como Arte Marginal - serão assim expostas de 15 de fevereiro a 23 de junho no Bank Austria Kunstforum Wien, que se define como "a mais bem-sucedida instituição de exposições da Áustria", e que, só na mostra "Flying High: Women Artists of Art Brut", conta receber cerca de 150.000 visitantes

"O discurso sobre este género artístico ganhou uma dimensão extra em anos recentes, com a expressão 'Arte Bruta' a deixar de focar-se exclusivamente em obras de utentes de instituições psiquiátricas e a abranger também artistas 'mediúnicos', os chamados 'lobos solitários' e o trabalho de artistas com incapacidades", explicam as curadoras Ingried Brugger e Hannah Riger na apresentação da exposição.

"As barreiras históricas entre Arte Bruta e 'Alta Arte' parecem estar a ser rapidamente destruídas, a relevância dos critérios estéticos está a sobrepor-se ao interesse do diagnóstico e o que até agora foi escondido ou marginalizado está a ser empurrado para a superfície", acrescentam as especialistas.

É nesse contexto de afirmação que Veronika Rudorfer, que faz parte da equipa de curadoria do Kunstforum Wien, situa a aposta específica na Arte Bruta feminina. O objetivo é assegurar uma apresentação abrangente de artistas que, em toda a sua "diversidade internacional e dimensão contemporânea", marcaram os últimos cem anos dessa expressão plástica.

Veronika Rudorfer justifica: "Cada história de uma autora de Arte Bruta está relacionada de perto com a história da emancipação feminina em geral, mas é frequente que a discriminação se manifeste ainda mais dramaticamente neste domínio artístico concreto. As artistas-mulheres são muitas vezes 'marginais entre os marginais' porque a Arte Bruta ainda tem que lutar por um estatuto igual ao da 'Alta Arte' academicamente reconhecida e as disparidades entre homens e mulheres são mais evidentes nas avaliações do mercado, o que determina a visibilidade dessas autoras".

Reunindo cerca de 300 obras de 90 artistas de várias nacionalidades, a mostra "Flying High: Women Artists of Art Brut" - título traduzível por "Voando Alto: Mulheres Artistas da Arte Bruta" - procurará assim dar a conhecer a forma como essas criadoras afirmaram as suas identidades, refletindo nas suas obras os seus mundos interiores, as suas mitologias individuais e as suas histórias de vida pessoais.

"Frequentemente influenciadas por doença mental, por isolamento, por abuso sexual, exclusão e outras dificuldades, as artistas femininas escolhem temas e padrões diferentes dos dos artistas masculinos", explica Veronika Rudorfer. "Os seus métodos de produção, materiais, técnicas e suportes também são distintos", conclui.

Além da Coleção Treger Saint Silvestre, a mostra que é inaugurada a 15 de fevereiro no Kunstforum Wien também vai recorrer a empréstimos de entidades como o Museu Gugging da Áustria, a Coleção Prinzhorn da Alemanha e a Coleção de Arte Bruta de Lausanne, na Suíça. Haverá ainda cedências por parte de instituições de nacionalidade francesa, britânica e japonesa.

Numa seleção do próprio Bank Austria Kunstforum Wien, de São João da Madeira para Viena seguirão várias obras da francesa Jacqueline B., da brasileira Marilena Pelosi e da a chinesa Guo Fengyi.

Jacqueline B. (1928), que despertou as atenções do pintor Jean Dubuffet, frequentou duas escolas religiosas, mas aos 23 anos mal sabia ler e escrever, após o que se dedicou ao desenho com particular inventividade.

Marilena Pelosi (1957), forçada a abandonar o Brasil para escapar ao casamento forçado com um sacerdote vudu, afirmou-se mais tarde por desenhos que cruzam catolicismo exuberante com macumba febril.

A chinesa Guo Fengyi (1942-2010), para atenuar graves crises de artrite, adotou os métodos da filosofia Qi-Gonq e, sob o efeito de visões, criava, em extensas tiras de papel de arroz, elaboradas figuras femininas em formas espectrais, umas vezes serenas e, outras, monstruosas.

O Kunstforum Wien (Fórum de Arte de Viena), que soma mais de um quarto de milhão de visitantes por ano, assume a divulgação de arte moderna e contemporânea, como principal missão. A sua constituição remonta aos projetos iniciais de apoio e divulgação artística do antigo banco austríaco de Comércio e Turismo (Österreichische Creditanstalt für Handel und Gewerbe).

AYC // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Pilotos dizem que se TAP tem dinheiro para comprar BMW, tem dinheiro para repor condições laborais

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil sugeriu esta quarta-feira à TAP a mesma lógica de “gastar-mais, para poupar”, com que a companhia se defendeu sobre a renovação da frota automóvel corporativa, para a reposição das condições laborais dos trabalhadores.

Confusão na PSP sobre uso de armas obriga diretor nacional a esclarecer regras

Está a circular nas redes sociais um email supostamente da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa que proíbe os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) de utilizarem armas de fogo ou retirá-las do coldre em situações de desordem pública. A notícia avançada pelo 'Observador' refere que ainda no mesmo email, os agentes à civil também não podem intervir em episódios semelhantes. 

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP defende que a renovação da frota automóvel para a administração e gestores permite uma poupança de 630 mil euros anualmente, justificando que a decisão foi assente neste racional ao mesmo tempo que cumpre os contratos.