Incentivos fiscais aumentam número de estrangeiros em Portugal

Incentivos fiscais aumentam número de estrangeiros em Portugal
| Economia
Porto Canal (AYR)

Os incentivos fiscais de Portugal atraíram mais de dez mil estrangeiros ao país em 2016, sendo que o estatuto de residente não habitual (RHN) aumentou 44%, avança, esta segunda-feira, o Diário de Notícias (DN).

Em 2016, 10 684 estrangeiros receberam o estatuto de residente não habitual (RHN) o que, comparando com 2015, traduz uma subida de 44%.

Com este estatuto, profissionais ligados a atividades de elevado valor acrescentado pagam apenas uma taxa de 20% de IRS e os reformados são isentos deste imposto.

Portugal tem um sistema de incentivos fiscais para atrair esses mesmos profissionais o que traduz o elevado número de pedidos de adesão a este estatuto.

"Há dois tipos de interessados: os reformados, que vêm para umas férias fiscais de dez anos, e jovens, que gostam do regime fiscal mas que também querem mudar-se para cá, sobretudo para Lisboa, porque veem Portugal como um novo Silicon Valley.”, afirmou Dennis Greene, responsável pela consultora Eurofinesco ao DN.

Para se usufruir deste regime não pode ter sido residente em Portugal nos últimos 5 anos e tem de registar-se como residente fiscal no país, sendo que a duração destes incentivos podem ser usufruídos num período máximo de dez anos.

+ notícias: Economia

Lobo Xavier eleito para a presidência do Conselho Geral de Supervisão da EDP

O advogado António Lobo Xavier vai suceder a João Talone e é o nome escolhido entre os acionistas da EDP para assumir a presidência do Conselho Geral de Supervisão da EDP. 

Bruxelas elogia cortes "permanentes de despesa" anunciados pelo Governo

A Comissão Europeia saudou hoje o facto de as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro se basearem em "reduções permanentes de despesa" e destacou a importância de existir um "forte compromisso" do Governo na concretização do programa de ajustamento.

Bruxelas promete trabalhar "intensamente" para conluir 7.ª avaliação

Bruxelas, 06 mai (Lusa) -- A Comissão Europeia está empenhada em trabalhar "intensamente" para terminar a sétima avaliação à aplicação do programa de resgate português antes das reuniões do Eurogrupo e do Ecofin da próxima semana, mas não se compromete com uma data.