Reunião do Conselho de Ministros terminou ao fim de dez horas

| Política
Porto Canal / Agências

Lisboa, 10 out (Lusa) - A reunião semanal de hoje do Conselho de Ministros, que teve início às 08:30, terminou perto das 19:00, ao fim de cerca de dez horas, disse à Lusa fonte do Governo.

Segundo a mesma fonte, a parte da tarde da reunião de hoje do Conselho de Ministros foi dedicada à elaboração da proposta de Orçamento do Estado para 2014, depois de aprovadas outras medidas.

A parte final desta reunião não contou com a presença do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que se deslocou a Belém para a sua reunião semanal com o Presidente da República, Cavaco Silva, agendada para as 17:00.

A proposta de Orçamento do Estado para 2014 deverá ser entregue pelo Governo PSD/CDS-PP na Assembleia da República na terça-feira, dia 15 de outubro.

Está agendada para domingo uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros para ultimar a proposta de Orçamento do Estado para 2014.

Hoje não houve conferência de imprensa sobre as conclusões do Conselho de Ministros, tendo as medidas aprovadas sido anunciadas através de um comunicado, divulgado pelas 15:20.

IEL // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

França disponível para "revisitar" interligações ibéricas de energia

O secretário de Estado português dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, obteve esta terça-feira da sua homóloga gaulesa disponibilidade para "revisitar" a questão das interligações ibéricas de energia, em encontro até ao final do ano com Portugal e Espanha.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.