Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Modtíssimo: Um evento num aeroporto onde a TAP pretente suprimir rotas "relevantes" para o setor 

| Norte
Porto Canal (MYF)

A 47ª edição do ‘Modtíssimo' arranca, esta quarta-feira, no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. Paulo Vaz, diretor da Associação dos Têxteis de Portugal (ATP) garante que o local escolhido para esta feira profissional dedicada ao setor têxtil e vestuário nada tem haver com a polémica que envolve a TAP e o Aeroporto Sá Caneiro, mas relembra que as rotas que a companhia aérea pretende suprimir são ‘relevantes’ para o setor.

Paulo Vaz, diretor da ATP, refere que este evento nada tem haver com a polémica que envolve a TAP e o Aeroporto Sá Carneiro, mas relembra que a moda é "um grande utilizador das companhias de aviação desta infraestrutura [Aeroporto Sá Carneiro]".

"As rotas que foram cortadas ou que a TAP tenciona cortar são relevantes. Quer para Espanha, Barcelona, quer para Itália, sobretudo Milão, e naturalmente para Bruxelas, porque hoje muitas das coisas são decididas, até em termos políticos e de política comercial, bem entendido, na capital europeia, explicou Paulo Vaz à RTP.

O setor têxtil espera este ano chegar aos cinco mil milhões de euros em exportações, “um valor recorde que os têxteis e o vestuário português alcançaram em 2001", avançou Paulo Vaz ao Porto Canal.

Polémicas à parte, a 47.ª edição do Modtíssimo, que se realiza de dois em dois anos, é uma iniciativa que conta com mais de 300 coleções de moda num palco nunca antes visto em outra parte do mundo, um aeroporto. 

“Para este espírito de uma feira de moda que se tem de inovar e renovar, de vez em quando sair do seu habitat natural, que é o edifício da Alfândega, também é importante”, salientou Manuel Serrão, responsável do Modtíssimo.

A exposição está organizada em quatro grandes área, num espaço que reúne fabricantes de tecidos e acessórios europeus para a indústria têxtil, produtores de vestuário para adultos e crianças, têxteis inovadores e serviços correlativos. O evento decorre até esta quinta-feira.

+ notícias: Norte

80% do concelho de Castelo de Paiva foi destruído pelo fogo

Cerca de 80% do concelho de Castelo de Paiva foi consumido pelo fogo que começou em Vale de Cambra. A situação mais preocupante viveu-se esta segunda-feira na freguesia de Real. Várias casas foram destruídas pelas chamas e pelo menos 200 pessoas tiveram de ser retiradas de um pavilhão.

Autarca de Vouzela estima que 80% a 90% do concelho tenha sido "arrasado" pelas chamas

O presidente da Câmara de Vouzela, Rui Ladeira, disse esta terça-feira que "80% a 90% do concelho foi arrasado" pelas chamas, que também deixaram "pelo menos 20 famílias desalojadas" e destruíram "centenas de postos de trabalho".

Em Vouzela a população entrou em desespero com a força das chamas

                               

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"