Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

PSD pergunta a PS onde está "estabilidade governativa prometida" com partidos à esquerda

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 dez (Lusa) - O líder parlamentar do PSD disse hoje que a abstenção do partido nas votações sobre o Orçamento Retificativo surge porque uma não aprovação do texto poderia prejudicar o interesse nacional, mas o PS tem de responder pela estabilidade política.

"Ao PS e ao primeiro-ministro tem de ser perguntar: onde está a estabilidade governativa prometida?", questionou Luís Montenegro, numa intervenção no plenário da Assembleia da República após a aprovação na generalidade do Orçamento retificativo apresentado devido à resolução do Banif: o texto teve os votos favoráveis do PS, a abstenção do PSD e os votos contra do BE, PCP, CDS-PP, PEV e PAN.

"É deprimente obrigar Portugal e os portugueses a assistir a tanto oportunismo político", prosseguiu o social-democrata, referindo-se às votações negativas dos partidos à esquerda do PS que sustentam o Governo.

O executivo, lembrou Montenegro, "é suportado no parlamento pelos partidos que derrotaram" o governo anterior de PSD e CDS-PP.

Todavia, prosseguiu, "PCP e BE falam depois das eleições como se as tivessem ganho", mas "a máscara cai-lhes com as dificuldades", disse, referindo-se ao Banif e ao Orçamento Retificativo e voto em sentido contrário ao do PS.

O líder da bancada do PSD acusou ainda o ministro das Finanças de conduzir um "espetáculo de passa-culpas" nas explicações sobre o Banif, e acusou ainda o Governo de "má-fé, impreparação e falta de sentido de Estado".

Os sociais-democratas, contudo, reconhecem que a "não aprovação" do Retificativo "poderia implicar um grave prejuízo ao interesse nacional, à economia e ao sistema financeiro", mas consideram que há muitas questões que o executivo tem ainda por explicar.

PPF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Bruxelas melhora crescimento de Portugal para 5,8% este ano

A Comissão Europeia reviu hoje em alta de 0,3 pontos percentuais (p.p.) o crescimento económico esperado para Portugal este ano, para 5,8%, apesar dos desafios externos, segundo as previsões macroeconómicas de primavera hoje divulgadas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras