Info

Ministro das Finanças diz que será a última vez que se usará dinheiro público para salvar a banca

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 dez (Lusa) - O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou hoje que o processo do Banif será o último em que o atual Governo usará dinheiro público na resolução de um problema do setor da banca em Portugal.

Mário Centeno falava na Assembleia da República, durante o debate da proposta do Governo de Orçamento Retificativo para 2015, no período em que respondia a questões formuladas pelos deputados.

"Posso afirmar que é propósito deste Governo não utilizar mais dinheiro público na solução da banca em Portugal", declarou o titular da pasta das Finanças.

Mário Centeno salientou neste contexto que o Governo "faz uma leitura de inação" do anterior executivo [PSD, CDS-PP] no quadro do programa de ajustamento" da 'troika' (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional), no que concerne à intervenção no setor financeiro.

"Este Governo já anunciou que irá avançar com uma proposta de alteração da arquitetura de supervisão e de resolução bancária, diploma que em breve será apresentado", completou o membro do executivo.

Em resposta às perguntas do deputado do Bloco de Esquerda Paulo Lino Ascensão sobre as perspetivas de manutenção dos postos de trabalho do Banif, Mário Centeno referiu que as garantias que tem o Governo "são as mesmas que o banco Santander Totta deu no processo de compra".

"Ficarão cerca de mil trabalhadores na órbita do Santander Totta e os outros 600 trabalhadores do Banif serão colocados no veículo de gestão de ativos constituído no âmbito do fundo de resolução", referiu.

O ministro das Finanças fez ainda questão de salientar que no processo Banif "foram esgotados todos os prazos de negociação com as autoridades europeias".

"A proposta de circunscrever o Banif às ilhas era parte da proposta da Comissão Europeia, mas foi rejeitada pelo anterior Governo", acrescentou.

PMF // SMA

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Algarve recebe 20 aviões de turistas para estadias na segunda-feira mas adeptos da final da Liga dos Campeões não podem pernoitar no Porto. Turismo Porto e Norte não compreende

Luís Pedro Martins, Presidente do Turismo Porto e Norte, afirma que não consegue "deslumbrar uma razão" pela qual os adeptos da final da Liga dos Campeões, a decorrer no Estádio do Dragão no Porto, no dia 29 de maio, não possam pernoitar na cidade, sendo que estão previstos 20 aviões de turistas para estadias no Algarve já para o dia 17 de maio.

Bruxelas revê em baixa crescimento de Portugal para 3,9% este ano

A Comissão Europeia (CE) reviu hoje em baixa o crescimento económico esperado para Portugal este ano, apontando agora para 3,9%, quando em fevereiro esperava 4,1%, de acordo com as previsões económicas de primavera hoje divulgadas.

Luís Filipe Vieira e Promovalor vão deixar por pagar 160 milhões de euros ao Novo Banco

Luís Filipe Vieira e Promovalor vão deixar por pagar 160 milhões de euros ao Novo Banco

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Hoje Conhecemos - Nuno Palhas
Zoom Zoom Z o o m