Info

Jorge Sequeira apresenta assinaturas e quer Portugal sem "partidocracia"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 dez (Lusa) - O candidato presidencial Jorge Sequeira apresentou hoje no Tribunal Constitucional (TC) cerca de nove mil assinaturas com vista a validar a sua candidatura, que pretende um Portugal sem "partidocracia".

"Foram sete meses de trabalho árduo, terrivelmente difícil", disse aos jornalistas, referindo-se ao processo de recolha de assinaturas.

A sua candidatura, prossegue, visa passar Portugal "da partidocracia para a meritocracia": "As pessoas que têm mais mérito deviam estar no poder", vincou o candidato.

Psicólogo, investigador, docente universitário e comentador político, Jorge Sequeira tem como lema "Portugal Somos Nós" e assinala a "independência total" da sua candidatura.

"Nunca fui filiado em nenhum partido. O meu partido é o partido do trabalho, da honestidade, do caráter", frisou.

Garantindo que "não vai dizer mal de ninguém" na campanha eleitoral, nomeadamente de outros candidatos, Jorge Sequeira diz que Portugal é um "país subgerido, não subdesenvolvido".

As eleições presidenciais realizam-se a 24 de janeiro.

PPF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Catarina Martins enaltece passes mais baratos e pede mais transportes

A coordenadora do BE, Catarina Martins, elogiou este domingo a medida orçamental negociada com o Governo para a descida do preço dos passes de transportes públicos, mas defendeu que deve ser acompanhada de mais investimento para haver mais meios disponíveis.

Assunção Cristas lamenta desinteresse de Costa por setor da saúde "em rutura"

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, lamentou este sábado e o desinteresse do chefe do Governo pelo setor da saúde, descrevendo-o como "em rutura" devido à "austeridade escondida", numa conferência sobre o tema organizada pelo partido na sede de Lisboa.

Governo identifica quase duas centenas de pedreiras em situação crítica

O Governo identificou em 13% das pedreiras que dependem do Estado central, ou seja, 191 casos, "situações críticas", de acordo com o primeiro levantamento exaustivo das maiores pedreiras existentes em Portugal continental, a que o Expresso teve acesso.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.