Costa, Catarina, Jerónimo e Heloísa são “BFF” afirma Portas. Passos fez "LOL"

Costa, Catarina, Jerónimo e Heloísa são “BFF” afirma Portas. Passos fez "LOL"
| Política
Porto Canal com Lusa

O líder do CDS-PP defendeu hoje que o primeiro-ministro, António Costa, escolheu os seus BFF [best friends forever] Catarina e Jerónimo, e está dependente do Politburo comunista porque o BE "já é uma flor na lapela".

"Levantar-se-ão a seu favor os que o apoiarão. Ficam escolhidos hoje os seus BFF, best friends forever [amigos para sempre]: Catarina best friend [melhor amiga] de António, António best friend [melhor amigo] de Jerónimo, Jerónimo - só isso não é novo - best friend de Heloísa. Com eles escolheu governar, neles se apoiará, neles poderá tropeçar, dependendo deles ficará ou cairá. É a vida", afirmou Paulo Portas.

Na discussão do Programa do XXI Governo Constitucional no parlamento, o presidente centrista começou por se dirigir a António Costa como "o primeiro-ministro que o povo não escolheu" e alguém de quem se poderá "sempre dizer que os fins justificam os meios".

"Não lhe bastou com ser leal, influente e até determinante chefe da uma oposição à maioria relativa. Proclama euforicamente dispor de uma maioria parlamentar e todos sabemos que assim é apenas e enquanto o Politburo do Partido Comunista entender que deve ser e até quando entender que deve ser", afirmou.

"O BE já está na lapela do doutor António Costa. É a vontade do Partido Comunista que decidirá o destino do Governo de Portugal", declarou.

+ notícias: Política

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.

Marcelo promulga decreto de execução orçamental

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, promulgou o documento do Governo que estabelece as regras de execução do Orçamento do Estado para 2022, avança a RTP.

Fenprof critica não ter sido informada de 7.500 juntas médicas a docentes

A Fenprof criticou hoje o Ministério da Educação (ME) por ter omitido a eventual realização de cerca de 7.500 juntas médicas a professores com doenças incapacitantes, que a concretizarem-se transformam o novo regime de mobilidade numa “verdadeira inutilidade”.