BE fala de equívoco do PR porque executivo saiu da legitimidade das eleições

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 nov (Lusa) - A porta-voz do BE, Catarina Martins, disse hoje que o Presidente da República mantém um equívoco sobre a formação do Governo já que este não resulta de uma de uma crise política mas da legitimidade das eleições legislativas.

À saída da tomada de posse do XXI Governo Constitucional, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, Catarina Martins afirmou que "o Presidente da República continua a ter um equívoco sobre a formação deste Governo", uma vez que Cavaco Silva disse que este executivo hoje empossado saiu de uma crise por ter sido demitido o XX Governo.

"O Presidente da República optou por fazer o país ter esse compasso de espera mas o Governo que é agora indigitado é o Governo que vem não de uma crise política mas sim de uma legitimidade das eleições de dia 04 de outubro, que representa a nova maioria da Assembleia da República e um acordo para parar o empobrecimento em Portugal", justificou.

A deputada do BE - partido que pela primeira vez esteve hoje numa tomada de posse - lembrou que quando Cavaco Silva "decidiu indigitar Pedro Passos Coelho para formar um Governo já sabia que ele não teria maioria na Assembleia da República, já sabia que seria rejeitado".

"Há um novo Governo em Portugal, o Governo do PS baseado no acordo maioritário da Assembleia da República com outras forças, nomeadamente com o Bloco de Esquerda", sublinhou.

Na opinião de Catarina Martins este é um "Governo que se baseia num acordo para parar o empobrecimento do país e um Governo cuja legitimidade vem das eleições do dia 04 de outubro".

"Este Governo é fruto do que os portugueses decidiram no dia 04 de outubro quando foram votar. Há uma nova maioria na Assembleia da República, há um novo governo para travar o empobrecimento em Portugal", reiterou.

JF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.

Marcelo promulga decreto de execução orçamental

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, promulgou o documento do Governo que estabelece as regras de execução do Orçamento do Estado para 2022, avança a RTP.

Fenprof critica não ter sido informada de 7.500 juntas médicas a docentes

A Fenprof criticou hoje o Ministério da Educação (ME) por ter omitido a eventual realização de cerca de 7.500 juntas médicas a professores com doenças incapacitantes, que a concretizarem-se transformam o novo regime de mobilidade numa “verdadeira inutilidade”.