PSD fala de "dia singular" em que inicia funções PM rejeitado pelo povo

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 nov (Lusa) - O líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, disse que hoje é "um dia singular", iniciando funções um Governo e um primeiro-ministro que "foram rejeitados pelo povo", mas viabilizados por um entendimento dos partidos que perderam as eleições.

À chegada para a tomada de posse do XXI Governo Constitucional, Luís Montenegro disse aos jornalistas que "será um ciclo de governação novo que se abre a partir de agora", mas considerou que hoje "é um dia singular".

"É um dia em que cessa funções um Governo e um primeiro-ministro que foram escolhidos pelo povo mas alvo de uma rejeição por parte dos partidos que perderam as eleições e em que inicia funções um Governo e um primeiro-ministro que foram rejeitados pelo povo mas que foram viabilizados para o exercício dessas funções por um entendimento pluripartidário dos partidos que perderam as eleições", criticou.

Sobre a ação do PSD, que agora passa a estar na oposição, Luís Montenegro disse que o partido "fará aquilo que é a sua obrigação, que é em cada momento ter total liberdade para agir em conformidade com aquilo que é o interesse nacional".

"Com uma certeza que é do conhecimento público e generalizado dos portugueses: quem sustenta politicamente este Governo é o PS, BE, PCP, PEV e o PAN", recordou.

JF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.

Marcelo promulga decreto de execução orçamental

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, promulgou o documento do Governo que estabelece as regras de execução do Orçamento do Estado para 2022, avança a RTP.

Fenprof critica não ter sido informada de 7.500 juntas médicas a docentes

A Fenprof criticou hoje o Ministério da Educação (ME) por ter omitido a eventual realização de cerca de 7.500 juntas médicas a professores com doenças incapacitantes, que a concretizarem-se transformam o novo regime de mobilidade numa “verdadeira inutilidade”.