Henrique Neto diz que se for PR exigirá "garantias claras" ou convoca eleições

| Política
Porto Canal com Lusa

O candidato presidencial Henrique Neto afirmou hoje, que se for eleito, exigirá aos partidos políticos de esquerda "garantias claras" de um bom Governo para a legislatura, comprometendo-se a convocar eleições se tal não acontecer.

No dia em que o Presidente da República indigitou o secretário-geral do PS, António Costa, como primeiro-ministro, Henrique Neto criticou os partidos e candidatos presidenciais que "reivindicaram, insistentemente, a nomeação sem condições", dizendo que tal prova "que não se preocupam em prever o futuro e nesse futuro não inscrevem os interesses de médio prazo dos portugueses".

"Com esta decisão, os partidos da esquerda têm diferentes razões para festejar: o PS festejará porque vai ter novamente um primeiro-ministro no poder apesar de não ter ganho as eleições; o PCP, o Bloco de Esquerda e os Verdes festejarão porque conseguiram vantagens relevantes para os seus militantes e fizeram-no sem assumir qualquer responsabilidade no Governo e, por extensão, no futuro do país. Será que os portugueses, todos os portugueses, podem festejar?", questionou o candidato, que é militante socialista.

Henrique Neto considera que "os problemas vão sobrar para o próximo Presidente da República", fazendo questão de deixar a sua posição "com toda a clareza".

"Se for eleito, exigirei aos partidos políticos garantias claras de bom governo, de forma a permitir um governo de legislatura. Se isso não acontecer, devolverei a decisão sobre o imbróglio criado ao povo soberano em novas eleições", assegurou.

O candidato disse também que, se for eleito, não aceitará "a governação dos interesses" ou "uma divisão injusta dos sacrifícios, da falta de transparência da governação à corrupção".

"E não pensem que o Presidente não tem poderes para o fazer, basta que os use. De facto, depois de 30 anos de privilégio dos interesses, apenas um Presidente da República o pode fazer", referiu.

O Presidente da República indicou hoje o secretário-geral do PS, António Costa, para primeiro-ministro, indica uma nota da Presidência da República em que é ainda referido que a continuação em funções do XX Governo Constitucional, liderado por Pedro Passos Coelho, em gestão "não corresponderia ao interesse nacional".

+ notícias: Política

França disponível para "revisitar" interligações ibéricas de energia

O secretário de Estado português dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, obteve esta terça-feira da sua homóloga gaulesa disponibilidade para "revisitar" a questão das interligações ibéricas de energia, em encontro até ao final do ano com Portugal e Espanha.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.