Empreendimento em Vale do Lobo sob investigação no 'Caso Sócrates'

Empreendimento em Vale do Lobo sob investigação no 'Caso Sócrates'
| Política
Porto Canal (RYG)

Uma decisão tomada no Conselho de Ministros, na era de José Sócrates como primeiro-ministro, sobre a mudança do Plano Regional de Ordenamento do Território para o Algarve (PROTAL) pode ter beneficiado os donos do empreendimento em Vale de Lobo.

As investigações do caso Operação Marquês, que envolve o ex-primeiro-ministro, concentram-se no empreendimento de luxo de Vale do Lobo, no Algarve. O procurador está a investigar uma decisão tomada em Conselho de Ministros pelo Governo de José Sócrates por se suspeitar que os donos do empreendimento de luxo, entre os quais está o empresário luso-angolano Hélder Bataglia, presidente da ESCOM, podem ter saído beneficiados.

Segundo informações recolhidas pelo Diário de Notícias, no último interrogatório com o Ministério Público, dia 27 de Maio, o antigo governante foi confrontado com a decisão do Conselho de Ministros 102/2007 de 24 de maio, no qual aprovou o novo Plano Regional de Ordenamento do Território para o Algarve (PROTAL), e com a ligação das mudanças do plano com as transferências de dinheiro feitas em 2008 e 2009 para uma conta na Suíça.

+ notícias: Política

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Marcelo espera que obras no aeroporto arranquem antes do fim do seu mandato

O Presidente da República saudou este sábado a convergência entre Governo e PSD quanto ao método de decisão sobre a nova solução aeroportuária para a região de Lisboa, considerando que "é uma boa notícia".

Santos Silva alerta para o "absurdo" de pedir menos receita e mais despesa

O dirigente socialista Augusto Santos Silva considerou que se vive "um daqueles períodos absurdos" em que a direita reclama, ao mesmo tempo, menos receita e mais despesa ao Estado, avisando que os portugueses "não gostam de coisas absurdas".