DECO considera que as tarifas da água são "incoerentes". Trofa tem o preço mais alto do país

| País
Porto Canal (JYL)

A DECO (Associação de Defesa do Consumidor) diz que as tarifas de água em Portugal são "incoerentes" e "continuam a pautar-se pela desigualdade". De acordo com a associação, de norte a sul e do litoral para o interior, os tarifários continuam a marcar pela desigualdade.

"Entre os 10 municípios com factura mais alta, seis são do distrito do Porto", acrescenta a DECO.

Segundo a associação, que em comunicado divulgado esta terça-feira citou os resultados de um estudo publicado na revista Proteste, os dez preços mais altos estão na Trofa (492,92 euros), Santo Tirso (431,20), Paços de Ferreira (420,60), Aveiro (413,69), Torres Vedras (412,74), Vila do Conde (410,83), Covilhã (406,08), Gondomar (403,32), Paredes (400,42) e Alenquer (399,64). E os mais baratos estavam em Belmonte (54,72 euros), Barrancos (76,50), Mora (81), Alcácer do Sal (83,40), Foz Coa (88,20) e Moura (91,20).

Fora de ambas as listas estão os concelhos de Lisboa e Porto com uma conta anual de 243 euros.

O estudo da Proteste verificou cerca de 450 tarifários aplicados ao consumidor final, em 150 municípios, incluindo as tarifas de abastecimento, saneamento e resíduos sólidos urbanos em Abril de 2015.

+ notícias: País

"O bardamerda do Seixas da Costa": do tiro a um camarada do Exército ao escândalo do Tua - as polémicas de um delfim do regime

Francisco Seixas da Costa foi condenado esta segunda-feira por difamar Sérgio Conceição. O antigo embaixador referiu-se ao técnico portista como “javardo”, na rede social Twitter, a 31 de março de 2019. Esta é apenas a última de muitas polémicas que envolveram Seixas da Costa.

Ministério ordena investigação ao caso de estudante favorecido para entrar em Medicina na Católica

Contactado pelo Porto Canal, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior afirmou que a admissão do aluno em Medicina, na Universidade Católica, por ser “descendente de beneméritos” da Instituição, está sob alçada da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que irá apurar a "legalidade da situação identificada". 

Sindicato dos Guardas prisionais acusa Direção-Geral de negar o direito à greve dos profissionais

A Direção-Geral dos Serviços Prisionais é acusado de forçar os guardas a cumprir os serviços mínimos negando o direito à greve.