Info

Preços caem 0,4% em Dezembro e terminam 2014 com variação média de -0,3%

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Redação, 13 jan (Lusa) -- Os preços caíram 0,4% em dezembro, face ao período homólogo, e mantiveram-se estáveis em termos mensais, tendo 2014 registado uma taxa de variação média dos preços de -0,3%, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A variação mensal nula do Índice de Preços no Consumidor (IPC) em dezembro compara com os -0,2% de dezembro de 2014 e 0,4% em dezembro de 2013, enquanto a taxa de variação média de -0,3% no ano passado compara com os 0,3% de 2013.

Excluindo a energia e os bens alimentares não transformados (inflação subjacente), a taxa de variação média passou de 0,2% em 2013 para 0,1% em 2014.

Segundo o INE, para além da desaceleração da inflação subjacente, a redução da taxa de variação do IPC entre 2013 e 2014 foi "sobretudo determinada pela evolução dos preços dos produtos alimentares não transformados", com a variação média anual deste agregado a passar de 2,6% em 2013 para -2,1% em 2014, "sobretudo devido aos subgrupos das frutas e produtos hortícolas".

Os produtos energéticos contribuíram também para a redução do IPC em 2014, ao registarem uma taxa de variação de -1,4% nesse ano (-0,7% em 2013), sobretudo devido à diminuição dos preços dos combustíveis.

Em 2014, o INE dá conta de um crescimento médio anual mais elevado dos preços dos serviços do que dos preços dos bens, com os primeiros a aumentarem 0,8% (0,7% e 3,1%, respetivamente, em 2013 e 2012) e os segundos a recuarem 1,1% (0,0% e 2,5%, respetivamente, em 2013 e 2012).

Ao nível das classes de despesa, são de destacar os contributos negativos para a variação média anual de 2014 dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, "com uma inversão de sinal significativa relativamente ao ano anterior", do vestuário e calçado e dos transportes, que registaram contribuições menos negativas em 2014.

No que respeita às contribuições positivas, o INE destaca as da habitação, água, eletricidade e gás e outros combustíveis e das bebidas alcoólicas e tabaco, embora tenha sido inferiores às verificadas em 2013.

Quanto à variação homóloga de -0,4% do IPC em dezembro, segue-se a dois meses consecutivos de variações nulas.

Excluindo a energia e os bens alimentares não transformados, a inflação apresentou em dezembro uma variação homóloga de 0,3%, igual à do mês anterior.

Entre as classes com contribuições positivas para a variação homóloga dos preços, o INE destaca as da habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis, dos restaurantes e hotéis e das bebidas alcoólicas e tabaco.

Já a contribuição negativa mais expressiva para a variação homóloga do IPC foi a dos transportes.

Em termos infra-anuais, o INE salienta o comportamento da taxa de variação homóloga da classe dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas que, à exceção do mês de janeiro, se manteve todo o ano em terreno negativo.

Quanto à classe dos transportes, apresentou desde setembro variações homólogas negativas "progressivamente mais intensas", atingindo em dezembro de 2014 o valor mais baixo desde abril de 2013 (-4,4%), sendo que na classe dos restaurantes e hotéis é de notar o aumento progressivo na variação homóloga registado em julho, agosto e setembro, "meses tradicionais de maior procura turística".

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou em dezembro uma variação homóloga de -0,3%, inferior em 0,4 pontos percentuais à taxa observada no mês anterior.

De acordo com a informação disponível para os países da área do euro relativa a novembro de 2014, o IHPC português registou uma taxa de variação homóloga inferior em 0,2 pontos percentuais ao valor médio do grupo (0,3%), sendo que em dezembro essa diferença se manteve negativa, em cerca de 0,1 pontos percentuais, de acordo com a estimativa do Eurostat para os países do euro.

A taxa de variação mensal do IHPC foi, por sua vez, nula entre novembro e dezembro de 2014, inferior em 0,3 pontos percentuais do que o período homólogo do ano anterior, apontando a estimativa do Eurostat para uma taxa de variação mensal do IHPC da área do Euro de -0,1% (valor inferior em 0,4 pontos percentuais face a dezembro de 2013).

Já a taxa de variação média dos últimos 12 meses do IHPC português diminuiu para -0,2% (-0,1% em novembro).

PD// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Presidente da Ryanair mete "nariz de Pinóquio" a Pedro Nuno Santos para contestar "críticas falsas"

O Presidente Executivo da Ryanair, Michael Kevin O'Leary, numa conferência de imprensa realizada esta sexta-feira, em Lisboa, acusou o Ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, colocando-lhe 'um nariz de pinóquio' numa fotografia, por alegadas "críticas falsas" à empresa. O presidente exige que se construa o aeroporto do Montijo e diz que "Pedro Nuno Santos tem que fazer aquilo que é pago para fazer".

Banca com nova vaga de saída de trabalhadores e admite despedimentos

Os grandes bancos vão reduzir milhares de trabalhadores este ano, um processo que vem acontecendo desde a última crise mas que em 2021 deverá atingir um novo pico, tendo mesmo BCP e Santander Totta admitido recorrer a despedimentos.

Captura de sardinha em Portugal pode aumentar para até 30.000 toneladas

A captura de sardinha em Portugal poderá aumentar para até 30.000 toneladas já este ano, anunciou o ministro do Mar, após o parecer científico do Conselho Internacional para a Exploração do Mar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.