Info

Tua regressa à Assembleia da República com três iniciativas em debate

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Bragança, 07 jan (Lusa) -- A polémica em torno do vale do Tua regressa, na quinta-feira, à Assembleia da República com três iniciativas em debate no plenário a pedir a suspensão imediata da barragem em construção nesta zona de Trás-os-Montes.

Em discussão vão estar a petição "Manifesto pela Vale do Tua", um projeto de Lei do Bloco de Esquerda (BE) e um projeto de resolução do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV).

Todas as iniciativas têm o mesmo propósito: a defesa do rio transmontano e da linha ferroviária com a circulação suspensa e que irá ficar parcialmente submersa pela barragem em construção, com os signatários a reclamarem a paragem das obras da construção iniciada há quatro anos.

A petição promovida pela Plataforma Salvar o Tua conta é a terceira com o mesmo fim a ser discutida no Parlamento e conta com o apoio do partido Pessoas, Animais e Natureza (PAN), que não tem assento na Assembleia da República.

Os argumentos dos promotores destas iniciativas são comuns, entre os quais os alegados danos e "destruição irremediável" do património existente no vale do rio Tua e para o Alto Douro Vinhateiro, Património da Humanidade.

Os contestatários alegam ainda que a barragem, com conclusão prevista para o próximo ano, "não é necessária para o país.

No projeto de resolução, o PEV argumenta que o Governo tem condições para negociar atualmente a paragem das obras, alegando que a EDP, a concessionária da hidroelétrica, não está a cumprir as condicionantes impostas pela Declaração de Impacto Ambiental (DIA).

O partido aponta como exemplo a linha de alta tensão que alegadamente "viola as recomendações da UNESCO", o organismo internacional responsável pelo estatuto de Património da Humanidade, que se pronunciou pela compatibilidade entre a barragem e a zona do rio Douro classificada.

A circulação na linha do Tua está suspensa desde o acidente de agosto de 2008, o quarto com outras tantas vítimas mortais.

Em fevereiro de 2011, iniciou-se a construção da barragem que vai submergir parte significativa dos pouco mais de 50 quilómetros que restavam da Linha do Tua, que ligava Bragança ao Douro, mas desde o início da década de 1990 que ficou reduzida ao trajeto entre Mirandela e o Tua.

As contrapartidas impostas pela DIA para a construção da barragem já levaram á criação de um fundo de 70 milhões de euros ao longo da concessão para projetos de desenvolvimento da área de influência que abrange os concelhos de Carrazeda de Ansiães, Mirandela e Vila Flor, no distrito de Bragança, e Alijó e Murça, no distrito de Vila Real.

Os projetos serão desenvolvidos no âmbito de um novo parque natural regional que foi, também, entretanto criado na zona.

As contrapartidas contemplam ainda um plano de mobilidade turística e para o quotidiano das populações que continua à espera da garantia de financiamentos de verbas europeias para avançar.

HFI // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Explosão de etanol em escola superior de Ponte de Lima faz dois feridos graves

Duas funcionárias de 52 e 53 anos ficaram hoje feridas com gravidade na sequência da explosão de etanol de um equipamento que aquecia refeições, na Escola Superior Agrária (ESA), em Ponte de Lima, disse à Lusa fonte da proteção civil.

Marta Temido diz que "entidades do setor não lucrativo poderão ser envolvidas nos testes"

A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou hoje que está a ser estudada a possibilidade de envolver “outras entidades do setor não lucrativo” para que seja possível dar resposta à procura de testes comparticipados de covid-19.

Maquinistas da Metro Porto em greve devido a "impasse de negociações"

Os maquinistas da Metro Porto encontram-se durante esta sexta-feira em greve e, segundo declarações do dirigente do sindicato dos maquinistas, Hélder Silva, ao Porto Canal, disse que esta greve "deve-se ao impasse de negociações com a subconcessionária da Metro Porto" explicando que "já andam em negociações há mais de um ano, mas sem evoluções". Hélder Silva referiu ainda que a greve "está com 100% de adesão" e sem "serviços mínimos".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.