Pirataria no Golfo da Guiné tenderá a aumentar ainda mais -- especialista

| Mundo
Porto Canal / Agências

Lisboa, 18 jul (Lusa) - O investigador Américo Seabra Reis afirmou hoje que o Golfo da Guiné é uma das áreas e rotas de "maior insegurança", onde a pirataria deverá tomar proporções ainda "mais importantes" com o aumento da exploração petrolífera na região.

"Não penso que o fenómeno da pirataria vá diminuir na costa africana oriental, especialmente ao largo da Somália e Golfo de Áden, mas penso que no Golfo da Guiné tenderá a aumentar", afirmou à agência Lusa Américo Seabra Reis, militar na reserva e investigador do Cento de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa.

O especialista lembrou que o fenómeno da pirataria no Golfo da Guiné está a "tomar proporções importantes" e que na região se têm vindo a verificar ataques cada vez "mais sofisticados".

Uma situação que poderá tomar proporções "mais importantes" à medida que a exploração de hidrocarbonetos (petróleo e gás natural) e a circulação marítima aumentarem ainda mais na região do Golfo do Golfo da Guiné, sustentou.

E tem havido "um aumento considerável dos navios que passam nessas águas", acrescentou Américo Seabra Reis.

Na segunda-feira, navio petroleiro com 24 tripulantes foi sequestrado na costa do Gabão, confirmaram fontes oficiais citadas pelas agências internacionais. O navio terá, ainda segundo as mesmas fontes, sido levado para aguas nigerianas.

Outro ataque deu-se esta semana ao largo da costa do Togo, onde piratas armados em várias embarcações saquearam um navio cisterna.

Suspeita-se que muita da "atividade criminosa" no Golfo da Guiné parta da Nigéria, país onde a pirataria é um fenómeno antigo, explicou o especialista, salientando, contudo, que mesmo assim "não é possível" estabelecer uma "ligação direta" com os grupos rebeldes que operam no Delta do Níger.

"É muito provável que [o aumento da pirataria no Golfo da Guiné] esteja fortemente associado a Nigéria", designadamente ao Movimento para a Emancipação do Delta do Níger, afirmou.

Contudo, o antigo militar explicou que apesar da atuação desses grupos ter vindo a aumentar nas águas do Golfo, o seu foco principal continua a ser o Delta do Níger.

Questionado sobre se poderá haver uma ligação entre os grupos organizados que se dedicam ao narcotráfico na região, especialmente nas águas territoriais da Guiné-Bissau, considerada plataforma para o narcotráfico internacional, o especialista afirmou que essas ligações existem, mas que não dispõe de dados suficientes para fazer tal afirmaçao.

O Golfo da Guiné é uma grande fonte de petróleo, cacau e, cada vez mais, de metais e outras matérias-primas para os mercados mundiais.

Ao contrário do que acontece no Corno de África, as águas da região não são controladas por missões internacionais de combate à pirataria e a maioria dos navios não dispõe ainda de segurança privada, como acontece na costa africana oriental.

SK // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

OMS estima que sismo na Turquia e Síria terá afetado até 23 milhões de pessoas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que o sismo que abalou a Turquia e a Síria terá afetado diretamente 23 milhões de pessoas, das quais 1,4 milhões são crianças.

"Uma das maiores catástrofes do mundo". Presidente turco anuncia três meses de estado de emergência

O governo turco declarou, esta terça-feira, estado de emergência por três meses nas 10 províncias afetadas pelos fortes sismos de segunda-feira, que já provocaram pelo menos 3.549 mortos e 22.000 feridos no país.

Dois transexuais de Hong Kong alcançaram a "vitória final" em tribunal em relação à mudança de género

O tribunal de última instância de Hong Kong decidiu que a cirurgia de mudança completa de sexo não deve ser um requisito para que alguém veja o género alterado nos documentos de identidade oficiais.