Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Pirataria no Golfo da Guiné tenderá a aumentar ainda mais -- especialista

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 18 jul (Lusa) - O investigador Américo Seabra Reis afirmou hoje que o Golfo da Guiné é uma das áreas e rotas de "maior insegurança", onde a pirataria deverá tomar proporções ainda "mais importantes" com o aumento da exploração petrolífera na região.

"Não penso que o fenómeno da pirataria vá diminuir na costa africana oriental, especialmente ao largo da Somália e Golfo de Áden, mas penso que no Golfo da Guiné tenderá a aumentar", afirmou à agência Lusa Américo Seabra Reis, militar na reserva e investigador do Cento de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa.

O especialista lembrou que o fenómeno da pirataria no Golfo da Guiné está a "tomar proporções importantes" e que na região se têm vindo a verificar ataques cada vez "mais sofisticados".

Uma situação que poderá tomar proporções "mais importantes" à medida que a exploração de hidrocarbonetos (petróleo e gás natural) e a circulação marítima aumentarem ainda mais na região do Golfo do Golfo da Guiné, sustentou.

E tem havido "um aumento considerável dos navios que passam nessas águas", acrescentou Américo Seabra Reis.

Na segunda-feira, navio petroleiro com 24 tripulantes foi sequestrado na costa do Gabão, confirmaram fontes oficiais citadas pelas agências internacionais. O navio terá, ainda segundo as mesmas fontes, sido levado para aguas nigerianas.

Outro ataque deu-se esta semana ao largo da costa do Togo, onde piratas armados em várias embarcações saquearam um navio cisterna.

Suspeita-se que muita da "atividade criminosa" no Golfo da Guiné parta da Nigéria, país onde a pirataria é um fenómeno antigo, explicou o especialista, salientando, contudo, que mesmo assim "não é possível" estabelecer uma "ligação direta" com os grupos rebeldes que operam no Delta do Níger.

"É muito provável que [o aumento da pirataria no Golfo da Guiné] esteja fortemente associado a Nigéria", designadamente ao Movimento para a Emancipação do Delta do Níger, afirmou.

Contudo, o antigo militar explicou que apesar da atuação desses grupos ter vindo a aumentar nas águas do Golfo, o seu foco principal continua a ser o Delta do Níger.

Questionado sobre se poderá haver uma ligação entre os grupos organizados que se dedicam ao narcotráfico na região, especialmente nas águas territoriais da Guiné-Bissau, considerada plataforma para o narcotráfico internacional, o especialista afirmou que essas ligações existem, mas que não dispõe de dados suficientes para fazer tal afirmaçao.

O Golfo da Guiné é uma grande fonte de petróleo, cacau e, cada vez mais, de metais e outras matérias-primas para os mercados mundiais.

Ao contrário do que acontece no Corno de África, as águas da região não são controladas por missões internacionais de combate à pirataria e a maioria dos navios não dispõe ainda de segurança privada, como acontece na costa africana oriental.

SK // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Irão diz ter apresado dois navios gregos no Golfo Pérsico

Dubai, 27 mai 2022 (Lusa) -- A Guarda Revolucionária do Irão confirmou hoje ter apresado dois petroleiros gregos no Golfo Pérsico, após o Irão ter ameaçado Atenas com uma "ação punitiva" pelo seu envolvimento no sequestro de um petroleiro iraniano a pedido dos Estados Unidos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.