Info

Hong Kong: Protestos fazem aumentar risco para os negócios - consultora

| Mundo
Fonte: Agência Lusa

Hong Kong, China, 08 out (Lusa) -- Os protestos em Hong Kong nas últimas semanas fizeram aumentar abruptamente o território no Índice de Agitação Civil da Maplecroft e a figurar no topo dos locais de investimento onde houve maior aumento do risco.

Hong Kong subiu 62 posições no 'ranking' de Agitação Civil -- ao passar da 132.ª para a 70.ª posição --, passando da categoria de "médio" para "elevado risco", indica a consultora, cujo índice analisa 197 economias em todo o mundo.

Dos locais analisados pela consultora, 20 por cento apresentaram um maior risco de interrupção dos negócios devido à instabilidade social ao longo do último trimestre, mas foi Hong Kong que mais desceu no 'ranking'.

"Hong Kong teve um desempenho comparativamente bom nos fatores económicos, sociais e de direitos do CUI [Índice de Agitação Civil, em inglês]. Contudo, apresenta um fraco desempenho na governação democrática, devido sobretudo ao défice democrático subjacente a um sistema eleitoral onde os candidatos são pré-selecionados por Pequim", refere a Maplecroft numa nota que acompanha a divulgação do Índice de Agitação Civil.

"A escala dos protestos, que custaram aos comerciantes mais de 283 milhões de dólares [223,5 milhões de euros], fizeram com que Hong Kong passasse da categoria de 'médio risco' para 'elevado risco'", realça a consultora, acrescentando que a resposta de Pequim vai ser "crucial" para determinar se a situação se irá deteriorar ainda mais.

A segunda maior subida no índice foi protagonizada pela Libéria -- passou do 113.º para o 74.º posto -- devido à crescente instabilidade causada pelo surto de Ébola.

No 'ranking' global há 11 países considerados como de "risco extremo", a maioria dos quais palco de conflitos internos e de violência derivada de conflitos étnicos ou religiosos, entre eles a Síria (1.º lugar), a República Centro-Africana (2.º) ou o Paquistão (3.º).

DM // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Estados Unidos aceleram retirada de americanos do Afeganistão

O Ministro dos Negócios Estrangeiros dos Estados Unidos da America está a agilizar a aceleração da retirada de americanos de solo afegão com o reforço de pelo menos 12 voos charter que podem voar diretos para os Estados Unidos ou para o Catar, apurou o Porto Canal.

CEO Intellcorp diz que "a situação de extração no Afeganistão, mesmo com negociação, tem um risco moderado a alto"

O CEO Intellcorp, Ruben M. Ribeiro, disse, em declarações exclusivas ao Porto Canal, que "a situação de extração no Afeganistão, mesmo com negociações e planeamentos, tem um risco moderado a alto". 

UE vai doar mais 200 milhões de vacinas a paises de baixo rendimento - Von der Leyen

 A União Europeia (UE) quer acelerar a vacinação da covid-19 nos países com baixo rendimento e vai doar mais 200 milhões de doses até meados de 2022, anunciou hoje a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.