Info

Retirada de resíduos de S. Pedro da Cova começou mas população promete continuar luta

| Norte
Porto Canal

Treze foguetes, um por cada ano de depósito de 88 mil toneladas de resíduos perigosos, ouviram-se hoje em S. Pedro da Cova, Gondomar, dia em que o Governo assinalou a saída do primeiro camião de "lixo que ninguém quer".

"S. Pedro da Cova exige requalificação do espaço e apuramento de responsabilidades pelo crime ambiental", lia-se numa faixa junto ao estaleiro onde começaram a entrar máquinas para retirar os resíduos industriais provenientes da Siderurgia Nacional depositados, entre maio de 2001 e março de 2002, em escombreiras de antigas minas.

Cerca de meia centena de pessoas manifestava-se à entrada: "Deixava o que estivesse a fazer para vir aqui hoje. Estou muito, muito, contente", disse Adelina Ribeiro, residente em S. Pedro há 63 anos, enquanto passava um camião que motivou o desabafo: "que não seja mais lixo".

A alegria é partilhada por Joaquim Gonçalves, de 61 anos, todos passados nesta localidade de Gondomar que conta com cerca de 17 mil habitantes, mas o motorista reformado acrescenta receios: o estado da água e o futuro.

"O nível de prejuízo disto, só o tempo dirá. Sabe-se lá. Mas é evidente que os resíduos prejudicam porque se infiltram na terra. E as minas que são parte da história da freguesia devem ser requalificadas", referiu.

Entre promessas de que "a luta continua" e vivas por considerarem "o dia histórico", a população aproveita para lamentar que a tenham "tentado silenciar" e "obrigar" a ficar "com o lixo que ninguém quer".

"Sabemos de fonte limpa que a água está imprópria. E há pessoas que às vezes têm de recorrer a esta água", acrescentou Adelaide Ribeiro.

A garantia de que os lençóis freáticos estão a ser monitorizados foi dada hoje pelo secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos, que "acompanhou a saída do primeiro camião com resíduos" rumo à Charneca, onde vão ser tratados.

O governante liderava uma comitiva que integrava a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte e a Agência Portuguesa do Ambiente, bem como responsáveis autárquicos locais.

"Estão a ser feitas análises regulares. As conclusões que chegaram das primeiras é de que não há vestígios lixiviados", disse Paulo Lemos, acrescentando, no entanto, que as águas "não são aconselháveis para consumo humano".

Antes, o presidente da Junta da União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, Daniel Vieira, havia exigido que os responsáveis da altura em que o depósito foi autorizado - referindo o ministro do Ambiente à época, José Sócrates, e do presidente da câmara, primeiro em representação do PSD e mais tarde como independente, Valentim Loureiro - "esclarecessem o seu papel" na operação.

Em matéria de investigações, e sem ter sido questionado sobre nomes concretos, o secretário de Estado revelou que "o Ministério Público está a investigar todas as acusações e a identificar quem terão sido os responsáveis".

"Neste momento compete aos tribunais investigar e não ao Governo", disse Paulo Lemos. Mas para Daniel Vieira a questão é "judicial mas também, e muito, política".

Em causa estão cerca de 20 hectares que poderão vir a integrar o Pulmão Verde da Área Metropolitano do Porto, um projeto partilhado por Paredes e Valongo e que, conforme esperam os autarcas tando da câmara como da Junta, seja alvo de uma candidatura a fundos europeus em jeito de "compensação" à população da zona.

"Esta área tem muita história, rios, trilhos pedestres, e é essa história, essa cultura, essa natureza que queremos preservar ", disse o atual presidente da câmara, o socialista Marco Martins.

O investimento que garante a retirada destes resíduos, cuja conclusão se prevê para maio de 2015, é de 13 milhões de euros.

+ notícias: Norte

Incêndio Florestal em Vale de Cambra mobiliza 154 operacionais e dois aviões

Um incêndio florestal em Arões, no concelho de Vale de Cambra, está esta tarde a ser combatido por 154 homens e dois meios aéreos, revelou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro.

Trabalhadores de limpeza hospitalar do São João em greve por melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação 

Os trabalhadores de limpeza do hospitalar do São João encontram-se em greve durante a manhã desta sexta-feira, frente ao Hospital São João, exigindo melhores condições de segurança, de saúde e fim da discriminação entre os trabalhadores de limpeza e trabalhadores do hospital. Em declarações ao Porto Canal, Eduardo Teixeira, Coordenador Regional do Sindicato dos Trabalhadores de Serviços de Portaria, Vigilância, Limpeza, Domésticas e Atividades Diversas do Porto (STAD), afirmou, em declarações ao Porto Canal, que "estes trabalhadores das limpezas merecem respeito".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.