Governo transfere 4,7 milhões de euros para o ICAD e portaria para a carrinha de consumo assistido já foi aprovada

Governo transfere 4,7 milhões de euros para o ICAD e portaria para a carrinha de consumo assistido já foi aprovada
| País
Porto Canal/ Agências

A secretária de Estado da Saúde revelou esta quarta-feira que foram transferidos para o Instituto para os Comportamentos Aditivos e Dependências (ICAD) 4,7 milhões de euros e aprovada a portaria relativa à sala de consumo assistido móvel no Porto.

Em declarações aos deputados na comissão parlamentar de Saúde, Ana Povo disse que a forma como o anterior Governo preparou o processo de extinção das Administrações Regionais de Saúde não acautelou a transferência de verbas para o instituto.

"De qualquer forma, a execução orçamental é de 50%, a seis meses", disse Ana Povo, afastando o cenário de paralisação do ICAD.

O Jornal de Notícias (JN) noticiou na semana passada que o Governo anterior apenas deixou orçamento para o ICAD funcionar até ao final de março, com possibilidade de reforços nos meses seguintes devido à integração dos trabalhadores das extintas ARS.

Com esta integração de trabalhadores, segundo o JN, o ICAD passou de cerca de 200 funcionários para mais de 1.200, mas manteve o mesmo orçamento.

Ana Povo afastou esta quarta-feira o cenário de paralisação do instituto e disse que na terça-feira foi aprovada uma portaria que "vai permitir implementar a sala consumo assistido móvel no Porto", um investimento que ronda os 740 mil euros.

Na mesma audição, a ministra da Saúde, Ana Paula Martins, foi questionada sobre a situação das respostas de cuidados de saúde no Algarve, tendo falado na assinatura de convenções com médicos de Medicina Geral e Familiar, havendo já "vários candidatos" a uma bolsa de clínicos a quem podem ser atribuídos utentes.

Segundo a ministra, poderão ser usados espaços de alguns centros de saúde. Esta solução poderá vir a funcionar em outras zonas com carência de médicos de família.

Os dados do Plano de Emergência e Transformação da Saúde indicavam a existência de cerca de 1,7 milhões de pessoas sem médico de família atribuído. Lisboa e Vale do Tejo, Algarve e Leiria são as regiões mais carenciadas a este nível.

+ notícias: País

Sindicato garante que situação do INEM "é muito mais grave do que tem vindo a público"

O presidente do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) afirmou esta terça-feira que a situação no INEM “é muito mais grave do que o que tem vindo a público” e admitiu a convocação de uma greve.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.