Governo quer facilitar relação com cidadãos e empresas com marca gov.pt

Governo quer facilitar relação com cidadãos e empresas com marca gov.pt
| País
Porto Canal / Agências

O Governo lança a marca gov.pt que uniformiza canais de atendimento dos serviços públicos, cujo objetivo "é facilitar a relação do cidadão e das empresas, com o Estado", afirma à Lusa a ministra da Juventude e Modernização.

"Temos uma proliferação de 'websites', temos mais de 300 sinalizados e o cidadão muitas vezes não sabe onde é que se deve dirigir, ou tem de se dirigir a vários 'websites' para conseguir tratar, às vezes, até de um mesmo problema", explica Margarida Balseiro Lopes.

O objetivo "com a criação do portal único dos serviços digitais com a marca gov.pt é o cidadão dirigir-se a este 'site' e lá conseguir tratar um conjunto de serviços que são disponibilizados pela Administração Pública", adianta a governante.

Isto assenta numa "visão omnicanal", ou seja, a "possibilidade do cidadão sobre um determinado processo (...), integrando todos os canais de atendimento, começar eventualmente no telefone e de conseguir finalizar, por exemplo, no portal único de serviços digitais", prossegue a ministra da Juventude e Modernização.

E o que é que o portal vai ter? Por exemplo, "vai ter o histórico das interações, nomeadamente as interações que aquele cidadão teve a propósito do IMT ou do IMI, que teve na repartição das Finanças X com o telefonema que fez" para o número único "para onde os cidadãos devem ligar e que concluiu, por exemplo, com o pagamento do valor através de uma interação que teve com o 'site'".

Tudo isto "sempre com esta preocupação: como é que nós facilitamos a interação do Estado com as pessoas", reforça a governante.

O portal único dos serviços digitais gov.pt será lançado em setembro e no próximo ano haverá uma 'app' [aplicação] "em que a filosofia é exatamente" esta: que "o Estado concentre nesta aplicação os vários serviços que disponibiliza aos cidadãos", diz.

"Devemos privilegiar o digital", mas para isso "precisamos de informar e capacitar as pessoas e não temos sido bem sucedidos neste exercício e temos de melhorar a forma como informamos as pessoas, porque muitas vezes vão para o presencial porque não sabem que podem tratar numa Loja de Cidadão, por exemplo", salienta.

E também "temos de informar as pessoas que, tendo mais dificuldades no acesso a estes serviços de forma digital, que existem espaços que são Espaços Cidadão, que neste momento há 891 - o último foi inaugurado em Braga e temos um horizonte de 400 até 2026 - para que possam ter alguém, que é uma espécie de mediador que apoia, que auxilia o cidadão a tratar de um determinado problema através de um 'tablet'", explica.

Trata-se de um atendimento digital, mas assistido: "Esta é uma dimensão muito importante porque a pessoa está a dar este apoio nestes Espaços [Cidadão] para duas coisas, em primeiro lugar ajuda este cidadão a resolver o seu problema, mas em segundo lugar tornam-no mais autónomo para que de futuro possam utilizar os canais digitais".

A marca gov.pt, adianta, "vai ser anunciada no NOS Alive".

"Vamos ter um 'stand' já com a marca", sendo que o 'site' é lançado em setembro, tratando-se de um projeto com várias etapas.

Além disso, "vamos ter este mês o primeiro Conselho de Ministros para a Transição Digital e Modernização, que é também uma mudança, porque nós temos os Conselhos de Ministros que se reúnem todas as semanas, mas tendo em conta a centralidade deste tema (...) existirão trimestralmente Conselhos de Ministros destinados" a esta matéria, sublinha.

"Isto porquê? Porque isto não está num único ministério. Isto está em vários ministérios. Isso significa que neste Conselho de Ministros que é presidido pelo primeiro-ministro, são feitos pontos de situação e apresentação de novas iniciativas para que este esforço não seja só do ministério da Modernização", mas de todos os ministérios e de toda a Administração Pública.

O serviço de atendimento telefónico, que atualmente está apenas disponível em português, vai passar a estar disponível noutras línguas.

"Hoje em dia nós temos uma percentagem muito significativa" de estrangeiros a viver em Portugal e "também temos de ter resposta nessas línguas", explica.

Questionada sobre se vai haver reforço de pessoal, a ministra da Juventude e Modernização afirma: "Temos de utilizar muitos dos recursos que temos e esta também é uma preocupação que nós temos, até porque muito recentemente tivemos uma resolução do Conselho de Ministros" sobre o reforço do atendimento sem marcação.

"É muito importante percebermos que os problemas não são os mesmos no concelho A ou no concelho B, nem sequer na Loja ou no Espaço A ou no Espaço B. E, portanto, tem de haver uma sinalização dos constrangimentos que existem e quais é que são essas razões", prossegue.

Em alguns casos haverá falta de recursos humanos, "mas noutros casos há uma gestão ineficiente dos recursos que atualmente existem e é aqui que nós temos também de atuar", remata Margarida Balseiro Lopes.

+ notícias: País

Sindicato garante que situação do INEM "é muito mais grave do que tem vindo a público"

O presidente do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) afirmou esta terça-feira que a situação no INEM “é muito mais grave do que o que tem vindo a público” e admitiu a convocação de uma greve.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.