Por apenas um euro há um táxi no Porto que o deixa “mais perto” de casa

Por apenas um euro há um táxi no Porto que o deixa “mais perto” de casa
Porto Canal
| Porto
João Nogueira

Autocarros, metro, bicicletas e até mesmo trotinetes. É inegável que a mobilidade avança a bom ritmo no Porto e a existência dos diferentes modos facilita a vida de quem circula na cidade. Mas engana-se quem pensa que o transporte público chega a todos os cantos da Invicta. Para colmatar este problema, a Câmara do Porto lançou, em maio, o “+Perto”, um serviço que promete simplicidade: por um euro, os utilizadores podem chamar um táxi que os leva até um ponto com ligação a outros transportes.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

“Não é um porta a porta, é um ponto a ponto”. Quem o explica é Teresa Stanislau, gerente da STCP Serviços, empresa que opera o novo serviço de mobilidade. Ainda num período inicial, o “+Perto” avança de forma tímida.

Até porque ainda há pessoas a associar o serviço ao táxi Saúde +65 ou a pensar que, ao chamarem o táxi do “+ Perto”, podem viajar para qualquer ponto da cidade. Mas o transporte a pedido funciona da seguinte forma: os passageiros fazem um pedido com pelo menos 20 minutos de antecedência e o táxi deixa-os no ponto intermodal mais próximo, num raio de 2,5 quilómetros.

A reserva, feita através da página de internet do “+ Perto” ou por chamada, só termina com o pagamento e que pode ser feita de três formas: por MB Way, por cartão ou por transferência bancária, esclarece Helena Alves, supervisora do serviço.

O serviço faz sentido?

Uma das grandes perguntas quando o serviço foi anunciado prendeu-se com a necessidade do novo modo de transporte a pedido na cidade que já está repleta de transportes.

Mas a gerente da STCP Serviços esclarece: “Nós percebemos que há muitos arruamentos onde o transporte público ainda não chega (...) Todas aquelas zonas que são mais estreitas ou mais íngremes, ou que estão precisamente entre a VCI e a circunvalação”.

E as reservas que já foram feitas desde o arranque do “+ Perto” refletem mesmo isso, uma vez que a maioria foi realizada a partir de zonas como Campanhã, “em zonas menos urbanas da cidade”, e também na zona da Foz do Douro e Nevogilde, justificado, por exemplo, pelas características das vias naquela área.

O serviço do “+ Perto” começa na sede do Geolink, que ladeia com o Estádio do Dragão, onde são recebidos todos os pedidos e encaminhados todos os táxis. No centro de operações,, o Porto Canal acompanhou o processo de uma das viagens, desde o início da reserva até ao fim da viagem e entrega do passageiro que a solicitou.

A juntar à utilidade para os passageiros, também os motoristas de táxi congratulam o “+ Perto”: É uma boa oferta para o utente porque tem possibilidade de ser transportado de um ponto a outro com alguma rapidez. A outra vertente será no serviço de táxi, que será mais um complemento para a faturação da empresa, digamos assim”, declarou o motorista de táxi Artur Dias.

Serviço alvo de mudanças

O primeiro ano do “+Perto” será de avaliação e adaptação. E nem um mês após ter sido lançado, o serviço já sofreu alterações.

Quando arrancou, a reserva tinha de ser assegurada quatro horas antes. O período foi reduzido para um mínimo de 20 minutos, concedendo uma diretriz mais imediata.

Também já houve munícipes a sugerir pontos que não tinham sido considerados numa fase inicial, apesar deste processo ter sido feito em parceria com todas as juntas de freguesia.

Em cima da mesa poderá estar uma possível mensalidade, a juntar ao cartão Andante, por exemplo, para os utilizadores mais frequentes do “+ Perto”.

+ notícias: Porto

Há um ano um fantasma batia à porta do Stop e metia 500 músicos de malas feitas na rua

Foi há um ano que o fantasma que assombrava os músicos há décadas bateu à porta do Stop, no Porto. O edifício da Rua do Heroísmo foi fechado e os artistas foram obrigados a fazer as malas e a sair de instrumentos nas mãos. Um ano depois, a resistência faz com que o edifício mantenha as portas abertas, mas no interior saltam à vista as inúmeras portas fechadas com um “aluga-se” estampado. O espaço tem um novo ar, a legalidade foi reposta e a administração garante que um novo fecho não acontecerá. Mas a incerteza continua a pairar sob a “verdadeira casa da música” portuense e a possibilidade da Câmara intervir pode mesmo vir a ser uma realidade.

PJ detém jovem de 16 anos por suspeita de pornografia de menores no Porto

Um jovem de 16 anos foi detido na quarta-feira pela Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) por suspeita de crimes de pornografia de menores desde dezembro de 2022, revelou esta quinta-feira em comunicado aquela polícia de investigação.

Arranque da revisão do regulamento do Mercado do Bolhão discutido pelo Executivo na segunda-feira

O executivo da Câmara do Porto discute na segunda-feira dar início à revisão do regulamento do Mercado do Bolhão por forma a "reponderar algumas das opções" implementadas quase dois anos após a sua reabertura.