Greve em Hollywood está a custar milhões mas atores e escritores recusam-se a ceder

Greve em Hollywood está a custar milhões mas atores e escritores recusam-se a ceder
| Mundo
Porto Canal / Agências

A greve de argumentistas e atores em Hollywood já custou à Califórnia cerca de cinco mil milhões de dólares, segundo o Milken Institute, mas os artistas "ainda têm energia" e não vão ceder, disse à Lusa o ator norte-americano Chris Marrone.

"As pessoas estão cansadas mas não desmotivadas. Ainda têm energia", afirmou. "Estamos nisto juntos e não vamos deixar que eles vençam. Isto é algo que vejo nos protestos à porta da Netflix, dos estúdios da Amazon e da Sony".

Marrone não está a trabalhar e diz que mal consegue sobreviver com o que está a ganhar em biscates. No entanto, o ator de "Westworld" mostra-se convicto de que são os estúdios que vão ter de ceder para acabar com a paralisação. 

"O que os sindicatos pedem não é um exagero. É um acordo ético de partilha da riqueza", considerou, sublinhando que os artistas "não podem ceder na questão da Inteligência Artificial e na compensação residual". 

Estes são dois dos pontos mais contenciosos. Atores e argumentistas querem garantir que os estúdios não vão usar Inteligência Artificial (IA) para os substituir e querem receber pagamentos residuais no modelo de 'streaming'. 

São pagamentos que antes davam aos artistas receitas provenientes de séries ou filmes licenciados para mercados internacionais ou que passavam novamente na televisão. 

"É ganância desregulada", opinou Chris Marrone. "O executivo de topo recebe 400 milhões enquanto os criativos que geram o dinheiro recebem menos de 0,5% disso".

É precisamente a mesma expressão usada pelo argumentista português Filipe Coutinho, membro da Academia Portuguesa de Cinema radicado em Los Angeles.

"O porquê disto estar a acontecer tem simplesmente a ver com a ganância dos estúdios", afirmou. "Está mais do que provado que eles preferem perder mais dinheiro nesta fase que pagar aquilo a que nós temos direito". 

Coutinho, que também tinha falado à agência Lusa no início da greve, a 02 de maio, mantém o empenho, apesar dos longos meses de paralisação: a greve dos argumentistas teve início no passado dia 02 de maio, a greve dos atores em 14 de julho.

"Acho que a maior surpresa, que é mais uma confirmação, é a resiliência dos escritores e atores", referiu o argumentista português. "Particularmente dos escritores, porque estão em greve há muito mais tempo do que os atores e o facto de a união parecer continuar forte e quase mais forte à medida que o tempo vai passando, o que não é nada fácil". 

Nenhum dos dois consegue prever uma data provável de acordo. Chris Marrone tem a expectativa de que a greve se resolva antes do final do ano e acha que o conflito está a arrastar-se porque a AMPTP (Alliance of Motion Picture and Television Producers) "não percebeu o quão eficaz a greve seria". 

O ator Louis MacMillan (nome artístico) diz que o momento é duro e quase todos os dias se junta aos protestos, sobretudo à porta da Amazon. 

"Tudo isto é muito necessário e é um reflexo de como os modelos de negócio de muitas coisas, não apenas dos grandes estúdios de 'streaming', precisam de mudar", referiu. 

MacMillan, membro do sindicato dos atores SAG-AFTRA, tem conseguido fazer audições para anúncios, alguns projetos com acordos interinos e programas cobertos por contratos diferentes, os chamados "network codes" que abrangem produçoes como 'talk-shows'.

É aqui que há alguns sinais de fendas na solidariedade. A atriz e apresentadora Drew Barrymore decidiu voltar a gravar o seu 'talk-show' diurno sem a presença dos argumentistas em greve, e embora não esteja tecnicamente a romper a greve, a decisão está a ser muito contestada. 

Certo é, como refere Filipe Coutinho, que haverá consequências ao nível dos conteúdos, sobretudo em 2024. 

"É provável que no futuro imediato tenhamos um pouco menos de conteúdo, de forma transversal", vaticinou. "O que sei que vai acontecer de certeza é que vamos ter muito menos filmes no próximo ano, porque há muita coisa que estaria a ser filmada nestes quatro meses e não foi". 

Sem um novo fenómeno "Barbenheimer", que fez disparar as bilheteiras este verão com os filmes "Barbie" e "Oppenheimer", Coutinho prevê que as receitas vão "descer bastante" em 2024 e desenterrar a ideia de que o cinema está morto, "o que não tem fundamento nenhum". 

A AMPTP representa Netflix, Amazon, Apple, Disney, Warner Bros. Discovery, NBC Universal, Paramount e Sony.

Os efeitos da greve, todavia, têm efeitos desiguais sobre os estúdios. A Warner Bros. reviu em baixa as suas previsões de receitas, calculando que a greve terá um impacto negativo de 300 milhões a 500 milhões de dólares. Já a Netflix adicionou 5,9 milhões de novos assinantes no trimestre de junho, quando a greve dos argumentistas levava quase dois meses. 

"Acho que não vai ser um bom ano a nível financeiro para ninguém", lamentou Coutinho, "mas ao mesmo tempo vai ser uma correção necessária para os próximos quinze anos e acho que isso vai permitir que haja mais escritores e atores que possam viver uma vida normal". 

Ou seja, sem precisarem de ter três empregos para pagar as contas ao mesmo tempo que perseguem os sonhos de uma carreira em Hollywood. 

"É também um bocado por isso que estamos a lutar", disse. "Há ali 99% de pessoas que estão sempre na corda bamba".

+ notícias: Mundo

Ex-membro da máfia de Nova Iorque escreve livro dirigido a empresários

Lisboa, 06 mai (Lusa) -- Louis Ferrante, ex-membro do clã Gambino de Nova Iorque, disse à Lusa que o sistema bancário é violento e que escreveu um livro para "aconselhar" os empresários a "aprenderem com a máfia" a fazerem negócios mais eficazes.

Secretário-geral das Nações Unidas visita Moçambique de 20 a 22 de maio

Maputo, 06 mai (Lusa) - O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, vai visitar Moçambique de 20 a 22 de maio, a primeira ao país desde que assumiu o cargo, em 2007, anunciou o representante do PNUD em Moçambique, Matthias Naab.

Síria: Irão desmente presença de armas iranianas em locais visados por Israel

Teerão, 06 mai (Lusa) - Um general iraniano desmentiu hoje a presença de armas iranianas nos locais visados por Israel na Síria, e o ministro da Defesa ameaçou Israel com "acontecimentos graves", sem precisar quais, noticiou o "site" dos Guardas da Revolução.