Info

Trabalhadores da EMEF de Guifões pedem ao Governo que não "espartilhe empresa"

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Porto, 28 jul (Lusa) - Cerca de meia centena de trabalhadores das instalações de Guifões da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) concentraram-se hoje junto à sede da Metro do Porto, nas Antas, para "pedir ao Governo que não espartilhe a empresa".

"Não à privatização da EMEF. Não ao fecho de oficinas. Não à redução de trabalhadores" e "Ferroviários em luta pelo emprego, salários e direitos" - eram os slogans que se liam nas faixas dispostas em frente à Torre das Antas, no Porto, onde fica a sede da Metro.

Os trabalhadores das oficinas da EMEF de Guifões, freguesia do concelho de Matosinhos, local onde é feita a reparação e manutenção das carruagens da Metro do Porto, dizem saber que o Governo quer entregar as instalações à REFER e temem que isso signifique a redução de postos de trabalho.

"Certamente que a intenção é que todo o complexo de Guifões seja inserido no concurso público de concessão dos transportes do Porto. Nesse sentido o serviço que hoje é feito pela EMEF pode deixar de o ser", disse, à Lusa, o responsável da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS), José Manuel Oliveira.

O sindicalista apontou como "incerto" o futuro de cerca de 60 postos de trabalho e criticou a possibilidade de "mais tarde", com a concessão, "se transformar aquilo que é uma indústria portuguesa num serviço feito por estrangeiros".

"Estamos aqui para chamar a atenção do Governo para que olhe para a capacidade da EMEF [instalações de Guifões] que tem demonstrado qualidade ao fazer a manutenção do material circulante do Porto. Queremos que se inverta esta tendência de cada vez mais espartilhar a empresa", acrescentou José Manuel Oliveira.

Para o responsável o que se está a passar em Guifões é a "peça de um puzzle mais amplo que pode levar a que a EMEF seja reduzida através de parcerias com empresas estrangeiras". De acordo com o sindicalista a EMEF, a nível nacional, ou seja espalhadas pelas suas várias oficinas, tem "quase um milhar de postos de trabalho".

Já em representação da Comissão de Trabalhadores, Alexandre Silva, dirigiu-se aos funcionários que estavam concentrados com faixas e bandeiras a exigir a manutenção da EMEF de Guifões e enumerou situações que ocorreram em outras oficinas passando pela Figueira da Foz e por Coimbra onde, disse, "fecharam" e lamentando que "as carruagens que estavam no Poceirão tenham seguido para o Entroncamento, onde não há capacidade, estando a aguardar o envio para Espanha".

"Eles [Governo] não querem qualidade. Querem poupar. Estão a deixar degradar o material circulante. Dentro de uns anos poderá não haver segurança para circular nestes veículos, nem haverá trabalho feito por portugueses e em Portugal", reclamou Alexandre Silva.

Ambos os responsáveis disseram aos jornalistas que estão a aguardar a marcação de uma reunião com o secretário de Estado dos Transportes e que a mesma foi solicitada há cerca de uma semana.

PYT // MSP

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Governo aponta para aumento de mais oito mil estudantes bolseiros no superior

O valor das bolsas dos alunos do ensino superior aumentou e deverá haver mais oito mil bolseiros do que no ano passado, porque as regras são mais abrangentes e o processo está simplificado, anunciou a tutela.

Portugal no 'top' 20 dos maiores produtores mundiais de calçado

Portugal surge no 'top' 20 dos maiores produtores de calçado, um "grupo restrito" onde, da Europa apenas constam mais Itália e Espanha, num setor em que 87,4% da produção mundial vem da Ásia, respondendo a China por 55,5%.

Norte de Portugal e Galiza querem apoios comunitários investidos nas PME

Presidentes de câmara da Galiza e Norte de Portugal defenderam hoje, por unanimidade, que os fundos comunitários disponibilizados para a recuperação da crise pandémica devem ser aplicados nos setores produtivos da eurorregião.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.