Info

BCP está "muito confortável" com exposição ao Grupo Espírito Santo

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 25 jul (Lusa) - O Banco Comercial Português (BCP) está "muito confortável" com a exposição que tem às empresas do Grupo Espírito Santo (GES), afirmou hoje o administrador financeiro do banco, Miguel Bragança, sem especificar quais os montantes em causa.

"Estamos muito confortáveis com a nossa exposição ao GES", revelou aos jornalistas o gestor, sem querer quantificá-la, alegando o dever de sigílo bancário.

Miguel Bragança foi questionado várias vezes sobre a exposição do BCP ao GES, à margem de um evento na bolsa portuguesa, tendo reforçado que não há razões para alarme quanto a esta matéria.

"Compreendo a vossa curiosidade, mas não posso falar sobre questões em que existe o dever de sigílo bancário", sublinhou.

Três 'holdings' de topo do GES (Espírito Santo International, Rio Forte e Espírito Santo Financial Group) avançaram recentemente com pedidos de gestão controlada no Luxemburgo, país onde têm as suas sedes, dada a impossibilidade de cumprirem os compromissos financeiros assumidos, nomeadamente, no que toca a dívida emitida e cujas maturidades já foram atingidas sem os devidos reembolsos aos investidores.

DN // ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Governo aponta para aumento de mais oito mil estudantes bolseiros no superior

O valor das bolsas dos alunos do ensino superior aumentou e deverá haver mais oito mil bolseiros do que no ano passado, porque as regras são mais abrangentes e o processo está simplificado, anunciou a tutela.

Portugal no 'top' 20 dos maiores produtores mundiais de calçado

Portugal surge no 'top' 20 dos maiores produtores de calçado, um "grupo restrito" onde, da Europa apenas constam mais Itália e Espanha, num setor em que 87,4% da produção mundial vem da Ásia, respondendo a China por 55,5%.

Norte de Portugal e Galiza querem apoios comunitários investidos nas PME

Presidentes de câmara da Galiza e Norte de Portugal defenderam hoje, por unanimidade, que os fundos comunitários disponibilizados para a recuperação da crise pandémica devem ser aplicados nos setores produtivos da eurorregião.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.