Info

Banco BiG sobe lucros para 40,7 milhões de euros no primeiro semestre

| Economia
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 24 jul (Lusa) - O lucro do banco BiG aumentou para 40,7 milhões de euros no primeiro semestre de 2014, mais 36% do que os 29,9 milhões de euros registados no período homólogo, segundo um comunicado da instituição.

O BiG (Banco de Investimento Global), uma instituição financeira especializada detida integralmente por investidores privados, destaca ainda o crescimento do produto bancário (receitas geradas pela actividade bancária, incluindo comissões, juros, operações interbancárias e outros serviços) que alcançou os 122,9 milhões de euros, que compara com 90,1 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2013.

Os depósitos de clientes aumentaram 24%, para 750 milhões de euros, e os capitais próprios progrediram de 166,7 milhões de euros para 224,6 milhões.

O rácio de crédito concedido/depósitos de clientes baixou para 18,4% face ao semestre homólogo (30,6%) e o peso do crédito em incumprimento no crédito concedido líquido desceu de 0,2 para 0,1%.

O presidente do BiG, Carlos Rodrigues, sublinha, no comunicado que o banco tem tirado partido da "solidez do seu modelo de negócio" focado em "níveis realista de crescimento" e "numa rigorosa disciplina de tomada de risco, num enquadramento que continua cheio de surpresas".

O líder do BiG antecipa "uma segunda metade de 2014 mais difícil do ponto de vista dos resultados".

RCR// ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Governo aponta para aumento de mais oito mil estudantes bolseiros no superior

O valor das bolsas dos alunos do ensino superior aumentou e deverá haver mais oito mil bolseiros do que no ano passado, porque as regras são mais abrangentes e o processo está simplificado, anunciou a tutela.

Portugal no 'top' 20 dos maiores produtores mundiais de calçado

Portugal surge no 'top' 20 dos maiores produtores de calçado, um "grupo restrito" onde, da Europa apenas constam mais Itália e Espanha, num setor em que 87,4% da produção mundial vem da Ásia, respondendo a China por 55,5%.

Norte de Portugal e Galiza querem apoios comunitários investidos nas PME

Presidentes de câmara da Galiza e Norte de Portugal defenderam hoje, por unanimidade, que os fundos comunitários disponibilizados para a recuperação da crise pandémica devem ser aplicados nos setores produtivos da eurorregião.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.