Agricultores de Alijó tratam vinha afetada pelo granizo com os olhos colados no céu

Agricultores de Alijó tratam vinha afetada pelo granizo com os olhos colados no céu
| Norte
Porto Canal / Agências

Em Carlão, aldeia do concelho de Alijó, hoje o dia é de tratamentos na vinha para tentar salvar as videiras atingidas pelo granizo e de limpeza de estradas, lojas e garagens que ficaram inundadas pela chuva intensa.

Nesta zona do Douro, os viticultores queixam-se de quebras na produção devido às pedras de gelo que, na terça-feira, rasgaram as folhas das videiras, quebraram ramos e cachos de uvas.

No centro da aldeia, a chuva intensa de quarta-feira provocou inundações na via pública e entrou em casas e garagens.

“Tinha acabado de fazer o tratamento na vinha e, mal terminei, começou novamente a chover o que inviabilizou o tratamento. Tive que pagar esse produto e vou ter que pagar novamente para fazer um novo tratamento na vinha”, afirmou à agência Lusa António Oliveira, viticultor e presidente da União de Freguesias de Carlão e Amieiro.

Os agricultores andam com os olhos colados no céu. Em Carlão foram dois dias seguidos de mau tempo, mas as previsões apontam para mais trovoadas hoje e nos próximos dias.

Durante Pereira, 47 anos, andou com o trator a pulverizar a vinha e disse que não é fácil avaliar os prejuízos, mas acredita que possa vir a ter uma quebra de produção na ordem dos 20 a 30%.

“Sabemos o que gastamos, nunca sabemos o que colhemos. Não depende só de nós, podemos fazer tudo bem, mas não quer dizer que a gente tenha produção”, afirmou.

Após o granizo, os tratamentos devem ser feitos no espaço de 48 horas, consistindo na aplicação de cálcio e adubo foliar para ajudar a planta a cicatrizar e não recuperar o fruto.

“Eu tentei fazer seguros de produção, não é fácil e se fazem são preços astronómicos e não compensa. É preferível deixar perder ou correr risco”, salientou.

E acrescentou outra preocupação relacionada com a comercialização dos produção.

“Corremos o risco, fazemos o investimento, temos o trabalho e, no fim, entregamos os produtos sem preço. Não temos poder de negociação”, frisou Duarte Pereira.

António Elevai, 69 anos, contabiliza estragos na vinha e no olival e diz que a vida do agricultor “é sempre a lutar contra o tempo”.

“Na zona onde foi pior só ficaram mesmo as cepas. Aí é para esquecer. Não sei se vai sequer haver uvas para cobrir o benefício”, contou, salientando que o vinho é a sua principal fonte de rendimento.

O benefício é a quantidade de uvas que cada produtor pode transformar em vinho do Porto.

A Câmara de Alijó vai custear os produtos necessários para os tratamentos, mas este agricultor disse que era precisa mais ajuda, por parte do Estado, e falou no desalento que o faz pensar em desistir da agricultura.

“Na minha vinha é 100%. Tudo perdido, não há folhas, não há uvas, não há nada. Ainda agora venho de deitar o sulfate”, sublinhou José Manuel, 62 anos, que se revelou frustrado por ver destruído “em 15 minutos” o trabalho de um ano inteiro.

Também este viticultor se queixou dos seguros, referindo que “não há esse produto à venda”. “As seguradoras dizem que é um risco muito elevado e simplesmente não fazem”, destacou.

Pela freguesia, bombeiros e equipas da junta e do município estão a desobstruir sarjetas e estradas, para onde foram arrastadas terras e pedras.

O presidente António Oliveira disse que ainda não foi possível fazer um levantamento concreto dos prejuízos, mas aponta outra grande preocupação relacionada com os caminhos agrícolas.

“Contamos que cerca de 90% dos caminhos da União de Freguesias tenha sido afetado, o que equivale a cerca de 100 quilómetros que vão ter que ser reparados porque, devido aos estragos, muitos agricultores não conseguem deslocar-se para os terrenos agrícolas”, referiu, destacando que ainda não se sabe é "com que meios" este trabalho vai ser feito.

Pelo que defendeu que, para estas situações, deveria haver uma ajuda da parte do Ministério da Agricultura.

Devido à chuva intensa e que caiu durante um longo período, o ribeiro que atravessa a aldeia galgou as margens, inundou casas e hortas, onde as culturas ficaram praticamente todas danificadas.

“Para além do problema com a vinha e o olival, em que a produção vai ser muito débil, ainda se acrescenta as hortas que davam algum sustento às famílias”, referiu António Oliveira.

Esperança Grabulho, 68 anos, passou a manhã a limpar as lamas que se acumularam na porta da sua garagem onde a água entrou. “Choveu muito, muito, eu nunca vi”, contou à Lusa, acrescentando que também na vinha encontrou muita “uva caída, muita folha no chão e o caminho todo estragado” e, no olival, “está tudo também no chão”.

E rematou: - “a água fazia-nos falta, mas não tanta”.

Fernando Vieira procurou uma solução para impedir a água de voltar a entrar no seu café, no centro da aldeia. Falou em colocar umas tábuas nas portas, a mulher preferia sacos de areia.

Foram mais de três horas de limpeza, embora não tenha prejuízos nos equipamentos do estabelecimento.

“As pessoas estão tristes. Trabalham todo o ano e depois veem tudo a ser destruído e, claro, depois afeta a economia local. Se vivem da agricultora afeta-nos a todos”, considerou.

A freguesia tem quatro aldeias com cerca de 600 habitantes, a maior parte dos quais tem como principal fonte de rendimento a agricultura.

+ notícias: Norte

Três jovens morreram em despiste de viatura seguido de incêndio em Melgaço

Três jovens morreram e três ficaram gravemente feridos na sequência de um despiste de um veículo, que se incendiou, em Melgaço (Viana do Castelo), disse à Lusa fonte da GNR.

Idoso de 80 anos morre em queimada em Ovar

Um homem de 80 anos morreu no sábado na sequência de uma queimada num terreno de que era proprietário que evoluiu para incêndio, tendo os bombeiros só descoberto o corpo depois de controladas as chamas, informou a GNR.

Carro incendeia-se na A4 em Penafiel

Um veículo ligeiro incendiou-se, na tarde deste sábado, na A4, no sentido Penafiel-Vila Real confirmou ao Porto Canal fonte do Comando Sub-Regional do Tâmega e Sousa.