Sete artistas 'inundam' de novas histórias caixas de eletricidade da Rua Mouzinho da Silveira

Foto: Fábio Lopes | Porto Canal
| Porto
Fábio Lopes

As caixas de eletricidade da Rua Mouzinho da Silveira estão a ganhar novas cores. Foi aberto um concurso no âmbito do Programa de Arte Urbana do Município do Porto e os artistas selecionados já começaram a colorir esta histórica rua portuense, dando-lhe nova vida.

Com a tradicional azáfama como pano de fundo, é de pincel e paleta na mão que sete artistas têm a missão de colorir as caixas de eletricidade, revestindo-as de novas histórias.

No total, são 28 as estruturas a serem intervencionadas, com a inauguração dos trabalhos prevista para o dia 2 de junho.

Com receio de uma presença indesejada, a chuva, os artistas metem mãos à obra, perante os olhares surpreendidos dos turistas que vão deambulando pela rua.

Inaugurada em 2014, esta é uma iniciativa integrada no Programa de Arte Urbana do Município do Porto e pretende contribuir para a divulgação da produção criativa da arte urbana, incentivando a sua prática num enquadramento institucional autorizado.

"Lançamos uma call que foi extremamente participada. Tivemos cerca de 80 artistas nacionais e internacionais, mas que residem em território nacional, aqui a participar e conseguimos assim selecionar as melhores propostas", frisa, em declarações ao Porto Canal, Catarina Araújo, Vereadora da Câmara do Porto e Presidente do Conselho de Administração da Empresa Ágora. 

Assim, todos os anos, os artistas visuais são convidados a apresentar propostas para tornar (ainda) mais colorida a cidade, com a inscrição dos seus traços, cores e desenhos em espaços do Porto.

Este é um projeto visto com bons olhos pelos participantes que podem assim expor o seu trabalho, tornando a arte acessível para todos. 

"Eu trabalho muito em atelier com galerias. O meu trabalho é mais exposto em interior e foi uma oportunidade que eu vi para tornar o meu trabalho também mais conhecido" sublinha Mariana de Castro. 

Visão partilhada por Constança Duarte, outra das artistas selecionadas. "Eu acho muito interessante a questão da arte estar na rua e das pessoas poderem usufruir sem terem que entrar no museu, ou numa galeria. Levar a arte para diretamente às pessoas e despertar esse interesse", defende. 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Porto Canal (@porto.canal)

+ notícias: Porto

“Berço” de Almeida Garrett no Porto. Das cinzas ao futuro que permanece incerto anos após incêndio

Situado nas traseiras da muralha gótica que circundou a cidade do Porto, durante vários séculos, encontra-se o berço de Almeida Garrett, a casa onde o ilustre estadista, diplomata, orador e escritor nasceu em 1799 e viveu até 1804. Cinco anos após o incêndio que deixou o imóvel em ruína, em pleno coração do Centro Histórico, o esquecimento e abandono apoderaram-se do edifício, cujo futuro está envolto em pontos de interrogação e para o qual se desconhecem planos para a sua recuperação.

Incêndio em colégio no Porto já está extinto

O incêndio que deflagrou ao início da tarde de deste domingo no Colégio Flori, no Porto, "já está extinto" e em fase de rescaldo e ventilação, adiantaram ao Porto Canal as autoridades.

Last Folio: as duras memórias do Holocausto 

O Museu e Igreja da Misericórdia do Porto acolhem a exposição internacional LAST FOLIO acompanhada por um documentário, que mostra as memórias do Holocausto. A exposição do fotógrafo Yuri Dojc e da cineasta Katya Krausova, pode ser visitada até novembro.