Dois anos depois, reconversão do antigo Matadouro do Porto começa a ganhar forma

Dois anos depois, reconversão do antigo Matadouro do Porto começa a ganhar forma
Porto Canal
| Porto
Porto Canal/Agências

Dois anos desde a entrada das primeiras máquinas no antigo Matadouro Industrial de Campanhã, no Porto, os edifícios começam a livrar-se do entulho e as estruturas a ganhar forma para, até ao final de 2024, concretizar um projeto “âncora”.

No antigo complexo industrial, as equipas da Mota-Engil, empresa a quem foi adjudicado o contrato de reconversão e exploração, vão desdobrando-se pelos cerca de 26 mil metros quadrados.

Máquinas e homens reforçam fundações, picam paredes, limpam e reparam as vigas que vão suportar o novo telhado, e retiram o entulho que por lá permanece.

O muro que separa o espaço da Rua de S. Roque da Lameira será, entretanto, demolido e o complexo, outrora utilizado para a matança de animais, ficará aberto à zona oriental do Porto.

"Vamos demolir o muro e criar uma praça pública", explicou à Lusa, durante uma visita a obra, a gestora do projeto de reconversão, Margarida Barbosa.

Na praça ainda por construir, vão permanecer as árvores centenárias e, a elas, juntar-se-ão, no final do próximo ano, as esplanadas dos restaurantes que vão ocupar o primeiro edifício, num modelo de 'open space' no interior.

Poucos metros distam da futura praça à nave central, espaço que irá manter as estruturas metálicas onde o gado era transportado, numa "alusão histórica" à atividade que lá decorreu durante 70 anos.

A nave central, que percorre o complexo de uma ponta a outra, será a "charneira" entre os edifícios que irão albergar espaços empresariais, comerciais e de lazer, e os espaços que ficarão sob a gestão da autarquia.

"O edifício que inicialmente ia albergar os espaços municipais teve de ser demolido", adiantou Margarida Barbosa, apontando para a clareira que irá dar lugar a uma "construção mais contemporânea".

À semelhança deste edifício, outros dois foram também demolidos nas traseiras do complexo.

Nos 11 edifícios que compõem o antigo matadouro, foram colocados “alvos de monitorização”, que permitem acompanhar a evolução e os impactos da obra na estrutura.

"Este é um trabalho de relojoaria", admitiu a responsável, explicando que a maioria dos pilares tiveram de ser reforçados dada a permeabilização do solo, e que, por imposição da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), o ribeiro de água que passa por debaixo do complexo "teve de ser desviado".

Nas traseiras do espaço, uma outra clareira dará lugar a dois novos edifícios, também eles contemporâneos e que, visualmente, vão combinar com a nova passagem superior entre o antigo matadouro e a estação de metro do Dragão, atravessando a VCI.

"A construção da ponte já foi aprovada por todas as entidades", adiantou Margarida Barbosa, esclarecendo que a construção deverá decorrer durante a noite para causar o "mínimo de constrangimentos possíveis" à circulação.

A par da ponte, outro dos elementos "chave" do projeto, que tem a assinatura do arquiteto japonês Kengo Kuma e dos arquitetos portugueses OODA, é a cobertura.

“A cobertura vai manter-se, mas vai ser diminuída para respeitar o espaço da IP”, afirmou Margarida Barbosa, adiantando que a estrutura "será de chapa metálica perfurada" e terá painéis fotovoltaicos.

“A ideia é permitir a passagem de luz", acrescentou.

Até ao último trimestre de 2024, data prevista para a conclusão das obras, o trabalho de relojoaria continuará no antigo complexo industrial.

Até lá, um dos "maiores desafios será manter o valor da obra" - fruto de um investimento superior a 40 milhões de euros - dado o aumento do preço dos materiais de construção e inflação, admitiu Margarida Barbosa.

Há precisamente dois anos, as máquinas escavadoras da Mota-Engil entravam no antigo complexo industrial. À época, os trabalhos concentravam-se na limpeza da zona, demolições dos elementos em elevado estado de degradação, terraplanagens e sondagens às estruturas existentes.

Em setembro de 2022, a primeira fase da obra estava concluída e, em janeiro deste ano, a obra entrou na segunda fase da reabilitação, que se estima que dure 24 meses.

+ notícias: Porto

“Um verdadeiro rali”. Boavista é palco de corridas ilegais em plena luz do dia

A proximidade ao centro da cidade, a densificada rede de transportes e a diversidade de serviços fazem da Boavista uma das zonas mais cobiçadas do Porto. E é nas ruas adjacentes à Avenida da França que nas últimas semanas têm decorrido corridas de alta velocidade que, de acordo com os relatos dos moradores, são organizadas por pessoas em situação de sem abrigo que pernoitam nas imediações.

Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado

A Comissão Política Concelhia do PSD do Porto vai a votos no sábado com o deputado Alberto Machado, que se recandidata à liderança, e Francisco Carvalho, líder de bancada do PSD na Assembleia de Freguesia de Ramalde.

Proteção de dados “trava” aquisição de mais 117 câmaras de videovigilância no Porto

A Câmara Municipal do Porto ainda não conseguiu adquirir as 117 novas câmaras de videovigilância para as quais lançou um concurso público há cerca de um ano. Em causa está a falta de um parecer da Comissão Nacional da Proteção de Dados (CNPD), o que tem impedido o Tribunal de Contas de dar ‘luz verde’ ao município.