Porto. Hospital de S. João incluído no projeto para reduzir uso inapropriado das Urgências

Porto. Hospital de S. João incluído no projeto para reduzir uso inapropriado das Urgências
| Porto
Porto Canal / Agências

O diretor executivo do Serviço Nacional de Saúde, Fernando Araújo, garantiu esta quarta-feira que o Hospital de S. João, no Porto, será incluído no projeto que pretende reduzir a utilização inapropriada ou evitável dos serviços de urgência.

O responsável, que esteve hoje na Póvoa de Varzim a apresentar os contornos da iniciativa ‘Ligue antes, salve vidas’, que pretende dar maior preponderância aos Centros de Saúde no tratamento de casos agudos, mas não emergentes, garantiu que no caso do maior hospital da região Norte “já está a ser trabalhada uma estratégia”.

“Também será incluído a seu tempo. Estamos a constituir uma unidade local saúde entre o hospital S. João e os ACES do Porto Oriental e Maia/Valongo. É importante que nos cuidados de saúde primários as respostas sejam muito bem articuladas. No [hospital] de S. João estamos a trabalhar nessa estratégia, que deve ser concluída nas próximas semanas”, disse Fernando Araújo.

O responsável comentou os números recorde de afluência registados no serviço de urgência desta unidade, na segunda-feira, com 1.028 utentes a recorrer nesse dia à valência, revelando que os motivos para tal procura “ainda não estão totalmente identificados”, mas lembrando que é uma tendência nacional.

“Os responsáveis [do hospital S. João] sentiram essa pressão enorme da procura de cuidados de saúde, mas é algo que tem acontecido a nível nacional. Temos de encontrar medidas para tentar inverter este ciclo, que tem aumentado ano após ano”, afirmou.

Fernando Araújo reconheceu que os números da procura pelos serviços de urgência nos hospitais “estão a ultrapassar os níveis da pré-pandemia”, apontando que é preciso “medidas rápidas, mas consequentes e robustas, para mudar essa realidade”.

“Com este projeto [‘Ligue antes, salve vidas’], marcamos logo a data e a hora da consulta, ao contrário do que acontecia antes, em que a pessoa era aconselhada a ir ao Centro de Saúde, mas tinha de marcar a consulta. Agora é a linha SNS24 a indicar a data e o local certo. Isso dá mais confiança às pessoas”, analisou o diretor executivo do SNS.

O projeto arrancou hoje, de forma piloto, nos concelhos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, no distrito do Porto, onde serão avaliados durante quatro semanas, mas Fernando Araújo vincou que pretende aplicá-lo, gradualmente, a todo o país.

“As medidas para terem sucesso de resposta e resultado precisam de robustez. Iremos avançar inicialmente nos locais que dão mais garantias. Mas de forma célere e iremos para as outras regiões. Nos locais com menos cobertura de médico de família seguiremos com soluções diferentes para esse fim”, concluiu o responsável pela direção do SNS.

+ notícias: Porto

“Quero o Siza a rever e a atualizar o projeto da Avenida da Ponte”. Porto relança o debate e quer mais habitação no centro da cidade

Pedro Baganha, vereador na Câmara Municipal do Porto, revelou querer que seja o arquiteto Álvaro Siza a retomar o projeto da Avenida da Ponte, para onde já apresentou dois planos, em 1968 e 2000. A ideia é fazer uma atualização para que projeto contemple a construção de mais habitação. O custo da operação pode chegar aos 70 milhões de euros e o autarca mostra-se disponível para aprovar um loteamento municipal para garantir que se cumprem alguns princípios urbanísticos já apresentados.

Já há uma barreira a vedar prédio devoluto na Boavista. Solução não reúne consenso dos moradores

O prédio devoluto na Avenida da França, antigo edifício da Direção de Recrutamento Militar, começou a ser vedado pela Proteção Civil do Porto esta terça-feira, pelas 16h00, com os trabalhos a estenderem-se até sexta-feira. A medida havia sido prometida por Rui Moreira, no Conselho Municipal de Segurança, realizado na passada sexta-feira, após queixas por parte dos vizinhos devido à ocupação indevida do local por um grupo nómada, como noticiou o Porto Canal.

Viaduto na Boavista vira “lixeira” após ter sido ocupado

Desde dezembro de 2017 que a passagem inferior do viaduto da Rua de Domingos Sequeira, junto à Rotunda da Boavista, tem sido ocupada intermitentemente por um grupo nómada. As pessoas que lá pernoitam deixam um rasto de lixo e excrementos humanos, com os moradores a mostrarem preocupações pela saúde pública, com relatos de pragas de roedores a chegarem ao Porto Canal.