Mau tempo. Paragens de comboios repostas no apeadeiro da Madalena, em Gaia

Mau tempo. Paragens de comboios repostas no apeadeiro da Madalena, em Gaia
| Norte
Porto Canal / Agências

As paragens de comboios no apeadeiro da Madalena, em Gaia, voltaram a ser efetuadas no domingo após terem sido suspensas em 2 de janeiro devido ao mau tempo, disse, esta quarta-feira, à Lusa fonte oficial da Infraestruturas de Portugal (IP).

Questionada pela Lusa, a mesma fonte adiantou que a paragem no sentido Porto - Aveiro voltou a ser feita numa estrutura provisória, devido às obras na Linha do Norte que decorrem em Vila Nova de Gaia (distrito do Porto) ao abrigo do programa Ferrovia 2020.

No dia 2 de janeiro, fonte oficial da IP tinha adiantado à Lusa que os estragos na plataforma provisória tinham sido causados devido à chuva que se fez sentir nos dias anteriores.

Assim, o serviço naquele apeadeiro foi suspenso "por razões de segurança" durante 20 dias.

A IP tinha previsto restabelecer o serviço no apeadeiro até ao final do mês.

As obras atualmente em curso na Linha do Norte entre Espinho e Vila Nova de Gaia, no valor de 55,3 milhões de euros, deverão estar concluídas no início de 2023, disse fonte oficial da IP à Lusa em 04 de novembro.

+ notícias: Norte

Escolhem o Porto para trabalhar. Há quatro mil nómadas digitais na Invicta

Um computador portátil e bom acesso à internet bastam para que os nómadas digitais se instalem em qualquer parte do mundo. Contudo, a boa reputação da cidade a nível internacional, o bom tempo e o custo de vida acessível têm servido de chamariz para várias pessoas que trabalham remotamente.

“Ligação Braga-Guimarães caminha a passos largos para ser o aeroporto de Lisboa do Norte”, afirma Ricardo Rio

O Presidente da Câmara de Braga foi, esta quinta-feira, convidado da Manhã Informativa do Porto Canal.

Siaco declarada insolvente. Trabalhadores passam a ter direito a fundo de desemprego

A fábrica Siaco, produtora de calçado, em São João da Madeira, que fechou portas esta segunda-feira e deixou mais de uma centena de trabalhadores sem emprego, já foi declarada insolvente pelo Tribunal de Oliveira de Azeméis.