Finlândia admite pela primeira vez a adesão à NATO sem a Suécia

Finlândia admite pela primeira vez a adesão à NATO sem a Suécia
| Mundo
Porto Canal/Agências

A Finlândia deve considerar a hipótese de aderir à NATO sem a Suécia, disse esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros finlandês depois de o presidente da Turquia ter excluído o apoio de Ancara à candidatura sueca.

A adesão conjunta dos dois países nórdicos é a "primeira opção", mas "nós devemos avaliar a situação" caso "alguma coisa venha a impedir a Suécia de avançar", disse o chefe da diplomacia finlandesa à televisão pública Yle, da Finlândia.

Mesmo assim, o ministro dos Negócios Estrangeiros adiantou que "ainda é demasiado cedo para se tomar uma posição".

Trata-se da primeira vez que Helsínquia admite uma nova forma de adesão à Aliança Atlântica, sem a Suécia.

Na sequência da nova invasão da Ucrânia pelas forças russas, a Suécia e a Finlândia pediram a adesão à NATO, mas a Turquia, país aliado, exige condições para não vetar a decisão.

Ancara pede, sobretudo, uma nova posição dos dois países face aos refugiados curdos exilados na Suécia e na Finlândia e que são considerados "terroristas" pelo governo turco.

+ notícias: Mundo

Escândalo sexual expulsa Príncipe André do Palácio de Buckingham

O príncipe André, de 62 anos, foi expulso de vez do Palácio de Buckingham, residência oficial da família real britânica, pelo rei Carlos III. Segundo avança o jornal britânico ‘The Sun’, o Duque de York terá dito a amigos próximos que nos detalhes sobre o caso de abuso sexual vão ser públicos em breve.

Mais de 6500 russos ligaram para linha de deserção "Eu quero viver"

Mais de 6500 russos ligaram para a linha de deserção: "Eu quero viver". Trata-se de uma linha direta criada pela Ucrânia em setembro de 2022. 

"Longa vida à Rússia". Pai de Djokovic visto ao lado de apoiantes de Putin no Open da Austrália

Srdjan Djokovic, pai de Novak Djokovic, foi filmado, na noite de quarta-feira, a posar com manifestantes pró-Rússia, envergando bandeiras com a cara de Vladimir Putin e sinais com a letra 'Z', de apoio às forças militares do país.