Governo faz apelo à população face ao mau tempo. "Mantenham-se o mais possível em casa"

Governo faz apelo à população face ao mau tempo. "Mantenham-se o mais possível em casa"
| País
Porto Canal / Agências

A secretária de Estado da Proteção Civil lamentou esta quinta-feira a morte de uma pessoa em Algés devido ao mau tempo e lançou um apelo à população para se manter o mais possível em casa.

"Que as pessoas se mantenham o mais possível em casa, restringindo movimentações na rua àquelas que são as deslocações absolutamente necessárias, e que se possam resguardar e que se possam também auto proteger", pediu esta quinta-feira a secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, em conferência de imprensa em Carnaxide (Oeiras), da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil para fazer o ponto da situação sobre o mau tempo em Portugal.

O aviso à população foi feito a todos os portugueses, mas sobretudo àqueles que habitam nas zonas mais afetadas pelo mau tempo, designadamente nos distritos de Lisboa e Setúbal.

Patrícia Gaspar alertou as pessoas para que se mantenham atentas a todas as informações que vão sendo veiculadas pela comunicação social e que são emitidas pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e também pelo Instituto do Mar e da Atmosfera.

"É absolutamente fundamental que os conselhos que são dados pela Proteção Civil e todas as informações que são passadas pelas autarquias sejam escrupulosamente respeitadas", apelou.

O mau tempo registado em Portugal na última noite já provocou 27 desalojados e 1977 ocorrências, destacando-se o distrito de Lisboa com 913 ocorrências, segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.