11 anos depois, homem confessa que matou amigo em Famalicão e é condenado a oito anos de prisão

| Norte
Porto Canal / Agências

O Tribunal Criminal de Guimarães condenou esta terça-feira a oito anos e 10 meses de prisão o homem que, 11 anos após o crime, confessou às autoridades ter matado a tiro um amigo, no concelho de Famalicão, distrito de Braga.

Na leitura do acórdão, a juíza presidente disse que, em julgamento, não ficou provado que o tiro foi acidental - versão apresentada pelo arguido - nem que houve intenção de matar a vítima – segundo a acusação do Ministério Público -, mas antes que o homem “conformou-se” com a possibilidade de matar o amigo, à data com 34 anos, quando experimentava uma arma.

O arguido confessou às autoridades, 11 anos depois, ter matado a vítima a tiro de caçadeira, num pinhal, em Landim, concelho de Famalicão, alegando ter consciência pesada e para que alma do seu amigo pudesse ter paz.

Os factos aconteceram em 2006/2007 e em 2018 o arguido confessou a sua autoria e indicou o local onde enterrou o corpo da vítima.

O crime ocorreu quando ambos experimentavam a arma no pinhal, depois de a vítima procurar o arguido para lhe comprar uma arma, e este disparou no momento em que o amigo se encontrava de costas, tendo sido atingido na cabeça.

+ notícias: Norte

Escolhem o Porto para trabalhar. Há quatro mil nómadas digitais na Invicta

Um computador portátil e bom acesso à internet bastam para que os nómadas digitais se instalem em qualquer parte do mundo. Contudo, a boa reputação da cidade a nível internacional, o bom tempo e o custo de vida acessível têm servido de chamariz para várias pessoas que trabalham remotamente.

“Ligação Braga-Guimarães caminha a passos largos para ser o aeroporto de Lisboa do Norte”, afirma Ricardo Rio

O Presidente da Câmara de Braga foi, esta quinta-feira, convidado da Manhã Informativa do Porto Canal.

Siaco declarada insolvente. Trabalhadores passam a ter direito a fundo de desemprego

A fábrica Siaco, produtora de calçado, em São João da Madeira, que fechou portas esta segunda-feira e deixou mais de uma centena de trabalhadores sem emprego, já foi declarada insolvente pelo Tribunal de Oliveira de Azeméis.