Putin atravessa a ponte da Crimeia atacada em outubro

Putin atravessa a ponte da Crimeia atacada em outubro
| Mundo
Porto Canal / Agências

O Presidente russo Vladimir Putin deslocou-se, esta segunda-feira, à ponte da Crimeia parcialmente destruída em outubro num ataque, na sua primeira visita à península anexada desde o início da ofensiva na Ucrânia, indicaram hoje os 'media' russos.

As cadeias de televisão russas difundiram imagens que mostram Putin ao volante de uma viatura, afirmando que se encontrava na ponte que liga a península da Crimeia ao território continental da Rússia.

 

O líder do Kremlin também contactou com trabalhadores e abordou as reparações da ponte de Kerch com um membro do Governo responsável pelo projeto.

A ponte foi danificada em 08 de outubro por uma potente explosão atribuída pelas autoridades russas às forças ucranianas, a que Moscovo respondeu com diversas vagas de ataques contra importantes infraestruturas ucranianas, que prosseguem.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.655 civis mortos e 10.368 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

+ notícias: Mundo

Comité Olímpico apoia a reintegração de atletas russos e bielorrussos

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) manifestou-se esta sexta-feira favorável à reintegração dos atletas russos e bielorrussos nas competições internacionais, de acordo com a orientação assumida pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que deseja "explorar" vias para o fazer.

Frio no Afeganistão faz 158 mortos

O número de mortos devido às inundações repentinas e à pior onda de frio em décadas no Afeganistão, que atingiu o país nas últimas duas semanas, subiu para 158, avançaram à EFE as autoridades talibãs.

Necessárias medidas para travar violações de direitos humanos na Venezuela. Pedido de 90 ONG à ONU

Noventa organizações não-governamentais (ONG) venezuelanas pediram ao Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) que reforce o trabalho conjunto e os mecanismos internacionais para travar as violações dos direitos humanos na Venezuela.