Inundações em Faro bloqueram estradas e impediram abertura de lojas e escolas

| País
Porto Canal / Agências

A intensa chuva registada hoje de manhã em Faro provocou inundações, bloqueio de estradas e impediu a abertura de escolas e estabelecimentos comerciais, mas não há registo de habitações afetadas nem de pessoas desalojadas, disse fonte da Proteção Civil.

O coordenador da Proteção Civil Municipal de Faro, Rui Graça, precisou à agência Lusa que a chuva que caiu no espaço de uma hora, entre as 07:00 e as 08:00, "provocou inundações um pouco por todo o concelho, sendo o centro da cidade a zona mais afetada".

"Temos registo de inundações em garagens, estabelecimentos comerciais, no mercado municipal e em várias artérias da cidade, o que dificultou a circulação de pessoas e abertura de algumas escolas", referiu.

Segundo o responsável, algumas estradas de acesso à cidade "ficaram igualmente intransitáveis devido à acumulação de água, o que originou o caos no trânsito rodoviário nas três principais entradas da cidade".

Rui Graça acrescentou que o sistema de drenagem de águas pluviais "teve dificuldade em escoar o grande caudal de água registado num tão curto espaço de tempo, considerando que a situação era difícil de controlar".

"A drenagem funciona por gravidade, daí a dificuldade em escoar um acumulado de água de 19 milímetros por metro quadrado num tão curto espaço de tempo", sublinhou.

Rui Graça adiantou que a Proteção Civil continua no terreno a prestar auxílio às situações prioritárias, "não tendo sido reportadas situações graves de inundações em habitações, nem de pessoas que necessitassem de realojamento".

Por seu turno, o presidente da Associação de Comerciantes da Baixa de Faro, Davide Alpestana, disse à Lusa que "a maior parte dos estabelecimentos comerciais foi afetada com a entrada de água, registando-se três ou quatro situações de maior gravidade".

"Há algumas situações pontuais em que os danos foram mais avultados, estamos a falar de três ou quatro casos. Neste momento, cerca de 70% dos estabelecimentos está já a funcionar", referiu.

De acordo com Davide Alpestana, "as inundações deveram-se ao acumulado de água na via pública, face à dificuldade do escoamento do sistema pluvial".

Por seu lado, o presidente da Associação de Comerciantes da Região do Algarve (ACRAL) disse à Lusa que "há um conjunto de comerciantes instalados nas zonas mais críticas e clássicas da cidade que foram afetados pela água, cujos prejuízos ainda não estão contabilizados".

"Há locais onde a água ainda não escoou totalmente, mas estimamos que os prejuízos possam ascender a largos milhares de euros", apontou Miguel Morgado Henriques.

Segundo o responsável da ACRAL, a associação, em conjunto com a Proteção Civil Municipal, "está no terreno a tentar apurar o total de comerciantes afetados pela intempérie registada hoje no concelho de Faro".

Os distritos de Faro e Beja estão hoje sob aviso laranja (o segundo mais grave), emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), por causa da precipitação, até às 15:00.

A partir dessa hora, o aviso passa a amarelo (terceiro na classificação por gravidade), mantendo-se pelo menos até às 18:00.

Faro e Beja estão igualmente sob aviso amarelo por causa da possibilidade de trovoadas frequentes e dispersas (até às 15:00 de hoje) e do vento por vezes forte do quadrante sul, com rajadas até 70 quilómetros por hora (km/h) até às 18:00 de hoje.

O aviso laranja indica situação meteorológica de risco moderado a elevado e o amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Inteligência artificial nos tribunais? Juizes querem, mas não para decidir por eles

Os juízes querem levar a inteligência artificial para os tribunais, transformando-a, “numa primeira etapa”, num “assistente judicial eletrónico” que ajude, por exemplo, a escrever sentenças, mas sem que o possa fazer autonomamente, segundo uma proposta de reforma da Justiça.