Relatório da OCDE conclui que vacinas evitaram mais de 250 mil mortes na UE em 2021 

Relatório da OCDE conclui que vacinas evitaram mais de 250 mil mortes na UE em 2021 
| Mundo
Porto Canal/Agências

As vacinas contra a covid-19 evitaram mais de 250 mil mortes em 2021 na União Europeia (UE), onde se estima que a 'long covid´ tenha afetado cerca de 25 milhões de pessoas, adianta um relatório europeu hoje divulgado.

“Estima-se que as vacinas tenham evitado mais de 250 mil mortes em toda a UE apenas em 2021, embora as taxas de vacinação entre grupos vulneráveis tenham permanecido bastante baixas em alguns países”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE) sobre vários indicadores de saúde nos anos da pandemia.

O documento diz que um dos efeitos colaterais positivos da pandemia é que ajudou a aumentar a cobertura da vacinação contra a gripe sazonal entre idosos e outros grupos vulneráveis, apontando o exemplo da Dinamarca, onde a cobertura de vacinação entre pessoas com mais de 65 anos aumentou 23 pontos percentuais em 2020 em comparação com 2019, chegando aos 75%.

A OCDE e a CE alertam também que a 'long covid´ - a permanência de sintomas após a infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 - “surgiu como uma nova condição crónica que exigirá mais investigação para melhorar o diagnóstico e o tratamento e uma coordenação entre prestadores de cuidados primários e especialistas” de saúde.

“As estimativas preliminares indicam que pelo menos 10% das pessoas infetadas com covid-19 experimentam alguns sintomas de 'long covid´ que duram mais de um mês, o que significa que afetou e possivelmente continua a afetar mais de 25 milhões de pessoas em todos os países da EU”, avança o relatório.

Os dados agora divulgados referem ainda que os atrasos no rastreio do cancro durante os primeiros anos da pandemia levaram a que muitos doentes oncológicos fossem diagnosticados em fases mais avançadas, “tornando o seu tratamento mais complexo e reduzindo as suas hipóteses de sobrevivência”.

“As taxas de rastreio do cancro da mama diminuíram na maioria dos países da UE em 2020, com uma redução média de 6% em 16 países da UE com dados disponíveis. A redução foi geralmente maior nos países que já tinham taxas baixas antes da pandemia”, adianta o documento.

Os dados indicam que a Dinamarca, Finlândia e Irlanda estão entre os poucos países que não suspenderam os seus programas de rastreio do cancro em 2020 e, por isso, “não sofreram uma queda significativa no rastreio do cancro da mama”.

“Os diagnósticos e tratamentos tardios do cancro têm custos elevados, tanto para os doentes como para os sistemas de saúde. Adiar o tratamento cirúrgico para cancros comuns aumenta o risco de morte em cerca de 7%, enquanto adiar a quimioterapia ou a radioterapia em quatro semanas aumenta o risco de morte em até 13%”, alerta a OCDE.

O relatório refere também que, em 2020, foram realizados menos dois milhões de intervenções cirúrgicas programadas (como cirurgias às cataratas e à anca e joelho) do que em 2019 nos países da UE, aumentando os tempos de espera dos doentes.

“Muitos países da UE disponibilizaram fundos adicionais para fazer face a estes atrasos, mas o principal constrangimento ao aumento do volume de procedimentos tem sido a escassez de trabalhadores da saúde”, sublinha o documento.

O relatório considera positivo o rápido desenvolvimento de teleconsultas no início de 2020, que ajudou a manter o acesso aos cuidados de pessoas com doenças crónicas, mas alerta para os riscos do aumento das desigualdades em saúde, através da exclusão digital de pessoas mais velhas, mais pobres e que vivem em zonas rurais.

Ao nível da saúde mental, em vários países europeus, como a Bélgica, a Estónia, a França, a Suécia e a Noruega, a percentagem de jovens que reportam sintomas de depressão mais do que duplicou durante a pandemia, atingindo níveis de prevalência pelo menos duas vezes mais elevados do que nas faixas etárias mais velhas, refere o documento.

+ notícias: Mundo

Comité Olímpico apoia a reintegração de atletas russos e bielorrussos

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) manifestou-se esta sexta-feira favorável à reintegração dos atletas russos e bielorrussos nas competições internacionais, de acordo com a orientação assumida pelo Comité Olímpico Internacional (COI), que deseja "explorar" vias para o fazer.

Frio no Afeganistão faz 158 mortos

O número de mortos devido às inundações repentinas e à pior onda de frio em décadas no Afeganistão, que atingiu o país nas últimas duas semanas, subiu para 158, avançaram à EFE as autoridades talibãs.

Necessárias medidas para travar violações de direitos humanos na Venezuela. Pedido de 90 ONG à ONU

Noventa organizações não-governamentais (ONG) venezuelanas pediram ao Alto-Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) que reforce o trabalho conjunto e os mecanismos internacionais para travar as violações dos direitos humanos na Venezuela.