PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS
| Política
Porto Canal

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

"O único objetivo do PSD em relação ao Serviço Nacional de Saúde é a sua privatização e o seu desmantelamento. Nós não aceitamos essa visão, rejeitamos essa visão para a saúde pública em Portugal", afirmou no jantar de Natal do PS/Trofa, no distrito do Porto.

Durante um discurso e, perante uma sala cheia, o socialista referiu que o PS, ao contrário do PSD, acredita num SNS tendencialmente gratuito e "que cuida de todos, independentemente daquela que é a sua condição económica".

Ressalvando que o PS foi e é "absolutamente decisivo" para robustecer o SNS, João Torres assumiu ser "absolutamente espantoso" ouvir o presidente do PSD, Luís Montenegro, dizer que o PS é um partido que é amigo da iniciativa privada na saúde.

"Sejamos muito claros a esse respeito. Em primeiro lugar, o PS nunca teve dogmas ideológicos a propósito do SNS. Nós nunca tivemos nenhum preconceito para com a iniciativa social ou privada na saúde", vincou.

O PS "foi muito claro" ao afirmar e ao reiterar que para o partido o SNS é um serviço que deve ser público e tendencialmente gratuito, reforçou.

João Torres considerou que o problema do líder da oposição com o SNS é, antes de mais, um "problema de consciência".

"Porque o PSD tem, e importa não deixar passar em branco, um pecado original em relação ao SNS. É que o PSD não votou a favor da criação do SNS e, por isso, é importante dizer aos portugueses e a todos aqueles que nós conhecemos que se querem robustecer o SNS é mesmo como o PS que contaram, contam e vão continuar a contar", sustentou.

Além disso, o secretário-geral adjunto do PS salientou que é importante não esquecer o "desinvestimento brutal" que o PSD e a direita fizeram no SNS quando governaram o país da última vez.

Falando em "críticas desnutridas" do PSD, João Torres recordou o contributo que o SNS deu a Portugal num momento "especialmente exigente" como foi o da pandemia quando tantos desconfiavam da sua capacidade e da capacidade dos seus profissionais.

"E nós percebemos que o nosso SNS, que os nossos profissionais de saúde estiveram absolutamente à altura e foram inexcedíveis para que conseguíssemos ultrapassar esse momento difícil da nossa história presente", afiançou.

O socialista entendeu que Luís Montenegro "aqui e acolá" tenta menorizar o PS com "casos e casinhos".

Contudo, advertiu, o PS "não se vai encolher, está vivo, forte, presente".

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.