PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"
| Política
Porto Canal / Agências

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.

“Se o caminho é de cortes nos apoios à agricultura familiar, se o caminho é de encerramento de escolas, se o caminho é de encerramentos de postos da GNR e postos de CTT, se o caminho é de eliminação de freguesias (...) se o caminho é de manutenção e aumento das portagens, de redução e eliminação de carreiras rodoviárias, de falta de investimento na ferrovia...Se o caminho é este, de que servem as lágrimas de crocodilo e os lamentos hipócritas pela desertificação?”, questionou.

Paulo Raimundo falava na Covilhã na sessão de encerramento da XII Assembleia da Direção Regional do PCP de Castelo Branco, que decorreu com o lema “Tomar Iniciativa, Reforçar o Partido, Lutar pelo desenvolvimento do distrito”.

Garantiu que o PCP não acompanha a ideia de que o interior esteja condenado e defendeu que é preciso aproveitar os recursos que estão à disposição. “O interior condenado significa um país condenado e nós não aceitamos que condenem o interior nem o nosso país”, acrescentou.

Durante a intervenção, o líder comunista apontou os números dos censos de 2021 para lembrar os problemas que aquele distrito enfrenta com uma perda de população a ultrapassar os nove por cento na última década, percentagem que em alguns concelhos foi ainda mais elevada. Referindo que a isso também se soma o “envelhecimento demográfico”, o secretário-geral do PCP defendeu que é preciso “travar esse processo e criar condições” para que as pessoas possam viver naquela zona do país.

Paulo Raimundo considerou que “a situação está profundamente relacionada com escolhas políticas que têm reflexo em todo o território nacional”, nomeadamente com as opções por encerramentos de serviços, que levam as pessoas a terem de sair. “Não vale a pena vir com o argumento de que há poucas pessoas para justificar o encerramento de serviços públicos, quando é precisamente a política de direita que provoca a saída das populações do interior do país, por não terem condições para cá ficar”.

Paulo Raimundo não poupou críticas ao caminho que tem sido seguido e apontou medidas que podiam ajudar aquela região, a começar pela abolição do pagamento das portagens nas antigas Scut [vias sem custos para o utilizador]. “Contribuiria ou não, por exemplo, para fixar as populações no distrito a eliminação das portagens nas ex-SCUT?”, sugeriu.

O PCP defende que é preciso apostar no “desenvolvimento produtivo e na indústria, na criação de emprego com direitos, na defesa do ambiente, da floresta, da agricultura, dos recursos naturais”, bem como “na defesa e reforço dos serviços públicos”, ou “no desenvolvimento científico e tecnológico”, dando “bom uso dos fundos comunitários”. Além disso, Paulo Raimundo pediu que se avance “de uma vez por todas” com a regionalização e de adotar medidas que ajudem a combater o défice demográfico, criando medidas que deem condições às novas gerações para constituir família.

“Medidas que passam por salários dignos, vínculos permanentes, horários de trabalho estáveis, acesso a habitação, creche, escola, transportes, acesso aos serviços de saúde e ao acompanhamento das grávidas e ao seu direito a nascer em segurança num hospital. Tudo condições fundamentais para optar por ter filhos e garantir a sua educação”, disse.

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.