Ordem dos psicólogos denunciou 70 falsos psicólogos ao Ministério Público

| País
Porto Canal

Há cada vez mais pessoas a exercer atos de Psicologia sem estarem habilitadas. Queixas estão a aumentar. Bastonário da ordem dos psicólogos alerta para "atividades paralelas que estão a por em causa a saúde pública".

Só em 2022 (até novembro), a Ordem dos Psicólogos Portugueses já encaminhou 70 processos por usurpação de título profissional, para investigação no Ministério Público.

Um número em crescimento avançado pelo Jornal de Notícias e, que compara com as 54 denúncias em 2021 e as 11 queixas em 2020. Em causa estão os "falsos psicólogos", que se denominam como tal, apesar de não terem título da ordem, mas também profissionais que exercem e praticam atos do foro da psicologia sem estarem habilitados para fazê-los.

"Muitas vezes, são consultores sem formação em psicologia. Vêm de outras áreas como a gestão, a economia e o direito e fazem formação de coaching durante uns fins de semanas", esclareceu ao jornal Francisco Miranda Rodrigues.

O bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses sublinhou que também há casos de exercício ilegal de psicologia por pessoas que não terminaram o curso ou que nunca ingressaram na ordem. Registam-se, ainda, situações de "pessoas que acham que têm muito jeito para os outros e passam a intitular-se "lifecoaches"".

"Só conheço uma certificação em coaching, que é o psicológico, e a entidade habilitada a fazê-lo é a Ordem dos Psicólogos Portugueses. De resto, não conheço mais nenhuma. A certificação é, muitas vezes, um negócio", frisou o bastonário, certo de que este é um problema de saúde pública.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Inteligência artificial nos tribunais? Juizes querem, mas não para decidir por eles

Os juízes querem levar a inteligência artificial para os tribunais, transformando-a, “numa primeira etapa”, num “assistente judicial eletrónico” que ajude, por exemplo, a escrever sentenças, mas sem que o possa fazer autonomamente, segundo uma proposta de reforma da Justiça.