Teresa Bonvalot 'surfou' para os quartos de final do Haleiwa Challenger no Havai

Teresa Bonvalot 'surfou' para os quartos de final do Haleiwa Challenger no Havai
| País
Porto Canal / Agências

A surfista portuguesa Teresa Bonvalot garantiu esta quinta-feira um lugar nos quartos de final da última prova das 'Challenger Series' da Liga Mundial de Surf (WSL), que decorre em Haleiwa, no Havai, enquanto Mafalda Lopes foi eliminada.

No terceiro dia de competição, o segundo no quadro feminino, 'Teresinha' foi segunda classificada na sexta bateria da 'ronda das 32', com 9,54 pontos (em 20 possíveis) nas suas duas melhores ondas (5,87 e 3,67), apenas batida pela australiana Sally Fitzgibbons (10,00), e à frente da francesa Vahine Fierro (9,50) e da brasileira Anne dos Santos (5,43).

Já Mafalda Lopes ficou no quarto e último posto da segunda bateria da mesma segunda ronda, com apenas 3,50 (2,57 e 0,93), atrás da australianas Dimity Stoyle (6,30) e Sophie McCulloch (10,40), e da norte-americana Alyssa Spencer (11,57).

Teresa Bonvalot, tetracampeã portuguesa (2014, 2015, 2020 e 2022), é agora a única representante lusa na prova feminina, mantendo as aspirações de entrar no circuito principal WSL em 2023, enquanto que, no lado masculino, Vasco Ribeiro e Frederico Morais continuam em competição.

+ notícias: País

Defesa de Vale e Azevedo recorre para o Tribunal Constitucional contra contumácia

A defesa de João Vale e Azevedo recorreu para o Tribunal Constitucional (TC) para contestar a declaração de contumácia que recai sobre o antigo presidente do Benfica, desde setembro de 2022, por não ter sido notificado para julgamento.

Manuel Magina da Silva reconduzido no cargo de diretor nacional da PSP

O Governo reconduziu no cargo o diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), superintendente-chefe Manuel Magina da Silva, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna (MAI).

JMJ. Valor do altar-palco "magoa todos", disse o Bispo Américo Aguiar

O presidente da Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 disse esta quinta-feira que o valor (superior a quatro milhões de euros) do altar-palco onde o Papa vai celebrar a missa final "magoa todos", admitindo eventuais correções se necessárias.