Ministra da Defesa defende ser preciso “proteger diariamente os ganhos da Restauração”

Ministra da Defesa defende ser preciso “proteger diariamente os ganhos da Restauração”
| Política
Porto Canal/ Agências

A ministra da Defesa Nacional, Helena Carreiras, considerou esta quinta-feira que, perante as ameaças internacionais, deve ser valorizada a independência nacional económica, social, política e cultural, afirmando ser preciso proteger “diariamente os ganhos da Restauração”.

Helena Carreiras discursou esta quinta-feira na cerimónia de homenagem aos Heróis da Restauração e da Guerra da Aclamação, que assinalou o 1.º Dezembro, em Lisboa, na qual estiveram presentes, entre outros, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva.

Em “382 anos volvidos sobre aquele 1.º de Dezembro, Portugal enfrenta hoje um conjunto diferente de desafios. Muito embora a sua independência não se encontre diretamente ameaçada, continua a ser necessário proteger diariamente os ganhos da Restauração”, afirmou.

Para a ministra, isso passa por preservar e cuidar do território “em todos os domínios”.

“Mas a conceção do que é a independência de um país extravasa os meros limites da dimensão militar e material. Abarca o nosso modo de viver e de estar em comunidade, ancorados por valores e princípios que nos norteiam e que nos proporcionam garantias de estabilidade e paz”, alertou.

Segundo Helena Carreiras, estes valores e princípios “têm sido postos em causa por agressões aos pilares da comunidade internacional” em que Portugal se insere.

“É perante essas ameaças que devemos saber valorizar sempre a independência nacional, em todas as esferas: económica, social, política e cultural”, disse.

Esta independência, para a ministra, “encontra o seu sentido não no fechamento, mas na abertura ao outro, não no isolamento, mas na cooperação”.

“Uma independência que se fortalece na afirmação dos valores da democracia, do Estado de Direito e dos direitos humanos, na valorização da diversidade e do pluralismo”, acrescentou.

Afirmando que os “portugueses reafirmaram, a 1 de dezembro de 1640, que queriam ser independentes”, Helena Carreiras afirmou que “as consequências dessa afirmação encontram expressão no dia-a-dia” e encorajam a “recordar como a liberdade de muitos pode ser defendida por poucos, e como a integridade de um país encontra força no contributo de todos”.

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.