Mundial 2022: Autoridades expulsam adepto por usar braçadeira de apoio à comunidade LGBTQI+

Mundial 2022: Autoridades expulsam adepto por usar braçadeira de apoio à comunidade LGBTQI+
twitter
| Mundial 2022
Porto Canal

Brian Davis, adepto norte-americano, foi expulso do Estádio, ainda antes da partida entre os EUA e o Irão ter começado, por este ter uma braçadeira arco-íris no braço. O adepto queixou-se do uso excessivo de força durante o ato.

"Eles [polícia] torceram-me um bocado o braço, mas estou bem. Eles foram muito agressivos. Acho que foi por causa da braçadeira", disse o adepto em declarações ao canal dinamarquês TV2.

 

As braçadeiras arco-íris, normalmente associada à comunidade LGBTQI+, foram um braço de ferro para os jogadores das Seleções que estão no Mundial do Qatar. A braçadeira, proibida pela FIFA, iria servir para os jogadores divulgarem mensagens políticas relacionadas com o Mundial no Qatar, onde a homossexualidade é ilegal e a violação dos direitos humanos uma prática constante.

O adepto em causa foi autorizado a reentrar no recinto desportivo.

+ notícias: Mundial 2022

Mundial2022: Dinamarca 'troca' golos por dinheiro para apoiar trabalhadores migrantes no Qatar

Os golos marcados em novembro na Dinamarca, desde os escalões amadores até ao campeonato principal, vão gerar uma verba para ajudar os trabalhadores migrantes no Qatar, anunciou esta segunda-feira a Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU).

Qatar vai pagar a "espiões" para elogiarem o Mundial?

A questão é feita pelo jornal inglês "The Times", que na edição desta sexta-feira afirma que 40 adeptos ingleses foram escolhidos para integrar um grupo de 400 pessoas, oriundas de 60 países, com o objetivo de "limpar" a já negra imagem do Mundial de Futebol de 2022.

Mundial2022: FPF subscreve declaração com outras nove federações europeias sobre o Qatar 

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) subscreveu, com outras nove federações europeias, uma declaração em que reconhece que o Qatar trá feito progressos no que diz respeito aos direitos dos trabalhadores migrantes, revela a FPF em comunicado.