Multinacional de moda H&M vai cortar 1.500 postos de trabalho

Multinacional de moda H&M vai cortar 1.500 postos de trabalho
| Mundo
Porto Canal / Agências

A H&M anunciou esta quarta-feira que vai cortar 1.500 empregos devido à aplicação do plano de redução de custos, apresentado há dois meses, e ao aumento da eficiência, após a queda dos lucros ao encerrar o negócio na Rússia.

O programa, que visa poupar 2.000 milhões de coroas suecas (cerca de 183 milhões de euros) por ano a partir do segundo semestre de 2023, vai custar cerca de 800 milhões (73 milhões de euros) em custos de reestruturação, que serão contabilizados no quarto trimestre, refere a cadeia de moda sueca em comunicado, lembrando ainda que o corte de postos de trabalho se deve também ao fecho da sua operação na Rússia devido à invasão da Ucrânia.

“O programa de corte de custos e aumento da eficiência que iniciámos envolve a reestruturação da organização”, disse a presidente executiva da multinacional, Helena Helmersson.

E prosseguiu: “Estamos cientes de que alguns colegas serão afetados. Vamos apoiá-los na procura da melhor solução possível para o próximo passo”.

O grupo sueco, que conta com mais de 100.000 colaboradores, tem 4.664 lojas em 77 países e está também presente em 57 mercados online.

A H&M refere ainda que a quebra dos lucros se deveu ao encerramento da atividade na Rússia devido à intervenção militar na Ucrânia, que lhe custou 2.104 milhões de coroas suecas (193 milhões de euros), e a fatores como o aumento do preço das matérias-primas, custos de energia, entregas e transporte, segundo o balanço financeiro divulgado há dois meses.

+ notícias: Mundo

Escândalo sexual expulsa Príncipe André do Palácio de Buckingham

O príncipe André, de 62 anos, foi expulso de vez do Palácio de Buckingham, residência oficial da família real britânica, pelo rei Carlos III. Segundo avança o jornal britânico ‘The Sun’, o Duque de York terá dito a amigos próximos que nos detalhes sobre o caso de abuso sexual vão ser públicos em breve.

Mais de 6500 russos ligaram para linha de deserção "Eu quero viver"

Mais de 6500 russos ligaram para a linha de deserção: "Eu quero viver". Trata-se de uma linha direta criada pela Ucrânia em setembro de 2022. 

"Longa vida à Rússia". Pai de Djokovic visto ao lado de apoiantes de Putin no Open da Austrália

Srdjan Djokovic, pai de Novak Djokovic, foi filmado, na noite de quarta-feira, a posar com manifestantes pró-Rússia, envergando bandeiras com a cara de Vladimir Putin e sinais com a letra 'Z', de apoio às forças militares do país.