Uma nova esperança para doentes com Alzheimer. Medicamento experimental reduz 27% do declínio cognitivo

Uma nova esperança para doentes com Alzheimer. Medicamento experimental reduz 27% do declínio cognitivo
| Mundo
Porto Canal

Um medicamento experimental contra a Doença de Alzheimer conseguiu atrasar o declínio cognitivo, de acordo com os resultados de ensaios clínicos. A comunidade médica fala em dia "histórico" e em nova esperança para combater a doença que provoca demência. O Lecanemab, nome do medicamento em causa, reduziu 27% o declínio mental dos doentes tratados com esta droga.

“Finalmente ganhamos alguma força nesta doença terrível.” Rob Howard, professor da University College London, mostra-se entusiasmado com o novo medicamento para a Doença de Alzheimer. “Parece importante e histórico. Isto vai encorajar-nos a sentir um otimismo real de que, um dia, a demência poderá ser derrotada e até curada.”

O Lecanemab foi desenvolvido em conjunto pela Biogen (Estados Unidos) e a Eisai (Japão). O ensaio clínico contou com quase 1.800 doentes e foi realizado ao longo de 18 meses. A conclusão final foi de que, de facto, o medicamento consegue reduzir a velocidade do declínio mental dos doentes com Alzheimer. Esta quebra é de 23% quando comparada com os doentes que receberam o placebo. Apesar de ser uma diminuição considerada “modesta”, não deixa de ser histórica.

Relembrando que, até aos dias de hoje, todos as investigações para curar, retardar ou tratar a Doença de Alzheimer falharam sempre.

Mas como nem tudo são rosas, o Lecanemab foi associado a um edema cerebral que pode ser perigoso em quase 13% dos doentes. Alguns doentes também tiveram hemorragias cerebrais, com cinco deles a sofrer cinco macro-hemorragias e 14% a micro-hemorragias. Este sintoma está associado às mortes das duas pessoas que receberam o medicamento, conforme consta num estudo de seguimento.

“Todos estes medicamentos que se focam na redução de beta-amilóide envolvem um risco aumentado de hemorragia cerebral”, disse Ronald Peterson, da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota. “Acho que os principais resultados, os resultados secundários e a redução de beta-amilóide são muito impressionantes.”

A Food and Drug Administration (FDA), o regulador norte-americano de medicamentos, deverá tomar uma decisão sobre este medicamento no início do próximo ano, quando poderá aprovar o medicamento no âmbito de um programa de revisão “acelerada”, que exige a prova de que um fármaco é capaz de ter impacto num biomarcador associado a uma doença, como acontece no caso da redução de beta-amilóide no cérebro.

+ notícias: Mundo

Escândalo sexual expulsa Príncipe André do Palácio de Buckingham

O príncipe André, de 62 anos, foi expulso de vez do Palácio de Buckingham, residência oficial da família real britânica, pelo rei Carlos III. Segundo avança o jornal britânico ‘The Sun’, o Duque de York terá dito a amigos próximos que nos detalhes sobre o caso de abuso sexual vão ser públicos em breve.

Mais de 6500 russos ligaram para linha de deserção "Eu quero viver"

Mais de 6500 russos ligaram para a linha de deserção: "Eu quero viver". Trata-se de uma linha direta criada pela Ucrânia em setembro de 2022. 

"Longa vida à Rússia". Pai de Djokovic visto ao lado de apoiantes de Putin no Open da Austrália

Srdjan Djokovic, pai de Novak Djokovic, foi filmado, na noite de quarta-feira, a posar com manifestantes pró-Rússia, envergando bandeiras com a cara de Vladimir Putin e sinais com a letra 'Z', de apoio às forças militares do país.