Compositor Vasco Mendonça apresenta novo álbum ao vivo no Porto

Compositor Vasco Mendonça apresenta novo álbum ao vivo no Porto
| Porto
Porto Canal / Agências

O novo álbum do compositor Vasco Mendonça, “Play Off”, resulta da residência artística com o ensemble de percussão Drumming GP, de Miquel Bernat, e vai ser apresentado ao vivo, no domingo, na Biblioteca da Fundação de Serralves.

“Este álbum é um registo de uma história de grande cumplicidade entre mim e os Drumming", disse Vasco Mendonça em entrevista à agência Lusa. "Miquel Bernat, diretor artístico dos Drumming, convidou-me há dois anos para ser compositor residente deles e, no final, fazia sentido fazer um registo, um álbum com algumas das obras, não todas, que compus durante a residência”.

Na sessão de lançamento, no domingo, Vasco Mendonça e Miquel Bernat vão conversar sobre o contexto e o processo de criação deste projeto. “Vai haver também oportunidade para a audição comentada de algumas peças do disco, e ainda uma surpresa tecnológica com a assinatura da Digitópia/Casa da Música”.

O álbum tem quatro obras, "um quinteto, que foi uma encomenda dos Drumming, um duo e um solo, que foram também encomendas deles, e uma peça, por proposta minha, que é uma peça invulgar, para quarteto de percussão e voz, a de contratenor”, explicou o compositor à Lusa.

Vasco Mendonça realçou "o genial” Terrance Hayes, afro-americano de 51 anos "que, nas eleições [presidenciais] norte-americanas [de 2016] escreveu uma série de sonetos dedicados à vitória de Donald Trump", nos quais "o assassino" toma muitas formas, num alerta ao perigo constante colocado às sociedades, às populações e à comunidade negra, em particular.

Para Vasco Mendonça, a escrita de Hayes "é uma espécie de espelho, como nenhum artigo de opinião faz, do que é a sociedade norte-americana e que nos deixa perplexos". "O mundo americano, a América é uma espécie de idílio e apocalipse sem nada no meio; é uma terra de excessos. Por um lado há a 'pastoral americana' da possibilidade, da perspetiva do futuro e, por outro lado, há uma violência intrínseca à sociedade; esta combinação dos dois é quase esquizofrénica”.

O compositor tem previsto este ano, além da edição de “Play Off”, a apresentação, também no Porto, em dezembro, da ópera infantil “O Lobo, a Menina e o Caçador”, com libreto do escritor Gonçalo M. Tavares.

A digressão europeia da peça para violino “Box of Darkness” (2021), a estreia da versão orquestral de “American Settings”, no Rolex Arts Weekend, em Atenas, uma colaboração com a realizadora de origem mongol Lkhagvadulam Purev-Ochir e uma produção audiovisual coproduzido pelos canais Mezzo, RTP2 e a plataforma Medici.tv são outros projetos que envolvem o compositor.

O álbum “Play Off” é apresentado no domingo, às 17 horas, na Biblioteca da Fundação de Serralves, no Porto.

+ notícias: Porto

Há crateras a nascer no centro do Porto. O que são?

Na sabedoria popular diz-se que se furarmos um poço sem fim, vamos parar à China. No outro lado do mundo. No Porto há vários poços, ou buracos, que neste momento criam a ilusão de infinito para quem olha para eles.

Modelo de organização das maternidades. Pizarro tem “absoluta confiança no trabalho da direção executiva do SNS"

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, inaugurou, esta sexta-feira, as novas instalações do Centro de Mama do Centro Hospitalar Universitário de São João. Já depois da inauguração, Manuel Pizarro salientou que Portugal tem um enorme sucesso no que diz respeito ao tratamento do cancro da mama. “Em 2022, atingimos 98% das pessoas que foram convocadas vieram ao rastreio”, frisou o ministro a cargo da pasta da Saúde.

Criminalização da droga. Moreira diz que “chutar para a veia” na rua é “atentado ao pudor”

Rui Moreira considera que a toxicodependência no Porto “é um atentado ao pudor” e não um exercício do direito da liberdade. Em entrevista exclusiva ao Porto Canal, o presidente da Câmara Municipal do Porto diz “não compreender” que a polícia não possa travar alguém que esteja na via pública a consumir droga.