Vilacondenses obrigados a ter ligação à rede de água municipal

| Norte
Porto Canal

Presidente da Câmara de Vila do Conde diz que todos os munícipes têm de estar ligados à rede de água municipal concessionada pela empresa Indaqua e que podem existir multas para quem não o fizer.

Em Vila do Conde o valor da fatura da água vai descer já no próximo mês, e por isso, o Presidente da autarquia diz que já não há desculpas para os vilacondenses não estarem ligados à rede municipal de água, concessionada à empresa Indaqua.

Vítor Costa lembra que “é de facto obrigatório” efetuar a ligação e que “há mecanismos contraordenacionais que estão ao dispor da Câmara Municipal” para os utilizadores que se recusarem.

O presidente da Câmara de Vila do Conde lembra ainda que “o serviço de recolha de resíduos sólidos urbanos está indexado ao consumo de água, e por isso, “há mais de 5 mil vilacondenses que usufruem de um serviço que está a ser pago por alguns e não por todos”.

A fatura da água em Vila do Conde deverá baixar em cerca de 35% já a partir de dezembro.

A medida vai abranger cerca de 30 mil famílias que passarão a pagar menos 12 euros por mês pela água consumida devido ao acordo entre a câmara e a empresa Indaqua.

Em 2022 entre Vila do Conde e Foz Côa existiu uma diferença de quase 400 euros no preço da água.

+ notícias: Norte

Galiza e Portugal, nações irmãs. Causa galega marcha pelas ruas do Porto e Gaia

A iniciativa promovida por um grupo de cidadãos da Galiza passará, este sábado, pelas ruas do Porto e Gaia, naquela que é, segundo a organização, a intenção de "tornar visível a questão galega".

Casa da Arquitetura vai montar exposição com espólio do Metro do Porto

A Casa da Arquitetura pretende mostrar o acervo da Metro do Porto nos próximos três anos, tendo o seu diretor considerado que a implementação deste sistema de transportes, há 20 anos, implicou uma "disseminação positiva" da sua linguagem arquitetónica.

Distrito de Vila Real com 4 mortos e 18 alertas de incêndio urbano desde outubro

No distrito de Vila Real foram contabilizados 18 incêndios urbanos desde o dia 1 de outubro, dos quais resultaram quatro vítimas mortais, dois feridos e dois desalojados, segundo disse o comandante operacional distrital, Miguel Fonseca, esta sexta-feira.