Incompatibilidades de ministros debatidas esta sexta-feira no Parlamento

Incompatibilidades de ministros debatidas esta sexta-feira no Parlamento
| Política
Porto Canal / Agências

A Assembleia da República debate, esta sexta-feira, numa interpelação marcada pelo Chega, as situações de alegadas incompatibilidades e conflitos de interesse que envolvem vários membros do Governo.

O Chega agendou, de forma potestativa, esta interpelação ao Governo "sobre os sucessivos casos de alegadas incompatibilidades e conflitos de interesses que envolvem vários ministros", um debate com duração de mais de duas horas e no qual o executivo estará representado pela ministra dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, de acordo com informação transmitida à agência Lusa por fonte do seu gabinete.

Nas últimas semanas, foram levantadas dúvidas sobre a possibilidade de os ministros da Saúde, Manuel Pizarro, da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, entre outros membros do executivo, terem violado o regime de incompatibilidades aplicado a titulares de cargos públicos.

No Parlamento, Manuel Pizarro e Pedro Nuno Santos já responderam a perguntas sobre os casos que os envolvem.

Na terça-feira, o ministro da Saúde foi questionado sobre alegadas incompatibilidades pelo facto de ser casado com a bastonária da Ordem dos Nutricionistas e pela posição de sócio-gerente numa empresa de consultoria na área da Saúde.

Manuel Pizarro assegurou que as situações estão "completamente resolvidas" e considerou não estar "abrangido por nenhuma incompatibilidade nem regime de interesses".

No mesmo dia, o ministro das Infraestruturas e da Habitação foi ouvido na Assembleia da República sobre a celebração de contratos públicos por uma empresa do seu pai, onde tem uma participação de 0,5%.

Pedro Nuno Santos garantiu que, se o Ministério Público e o Tribunal Constitucional decidirem que há incompatibilidades no caso da empresa da família, cumprirá a sanção que for aplicada.

Na semana passada, o primeiro-ministro disse não ter dúvidas sobre a “probidade” de como os membros do Governo exercem as suas funções.

“Não são casos nenhuns, nem suscitam dúvidas nenhumas, porque a lei é absolutamente clara sobre eles. Sobre dois deles, pelo menos, houve pareceres do conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República, portanto da minha parte, não tenho dúvidas nenhumas sobre a probidade da forma como os membros do meu Governo têm exercido as suas funções”, assumiu António Costa.

No mesmo dia, o Presidente da República pediu formalmente ao parlamento que reveja este regime jurídico caso a Assembleia da República “considere relevante e necessária tal reflexão”.

Mais tarde, o chefe de Estado exortou os partidos a encontrarem “uma solução clara no direito e na política” sobre a lei das incompatibilidades dos titulares de cargos públicos, para acabar com as “remendas” na legislação.

O PAN e o Chega já apresentaram proposta de alteração a este regime.

Na sexta-feira, o Chega participou ao Tribunal Constitucional sobre estes casos.

+ notícias: Política

TAP. António Costa e Medina devem pedir “desculpa” aos portugueses, diz Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças devem pedir “desculpa aos portugueses" por “terem injetado mais de três mil milhões de euros” na TAP.

Exames finais no ensino secundário são para manter, garante Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu ao final da tarde desta segunda-feira que o Governo vai manter os exames finais no ensino secundário.

Marta Temido é a nova presidente da concelhia do PS de Lisboa

Marta Temido é a nova presidente da comissão política da concelhia de Lisboa do Partido Socialista. Segundo avançou a ‘CNN Portugal’, a ex-ministra da Saúde assume o cargo que anteriormente era assegurado por Davide Amado.