Brasil: Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso declara apoio a Lula da Silva

| Mundo
Porto Canal / Agências

O ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso declarou hoje apoio expresso ao seu rival histórico, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disputa a segunda volta das eleições presidenciais do país.

"Neste segundo turno [segunda volta] estou votando em uma história de luta pela democracia e inclusão social. Estou votando em Luiz Inácio Lula da Silva", disse Cardoso, 91 anos, que presidiu o Brasil entre 1995 e 2002.

Lula da Silva e o atual presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, enfrentam-se na segunda volta das eleições no dia 30 de outubro, depois de nenhum candidato ter obtido mais de 50% dos votos válidos no último domingo.

Frenado Henrique Cardoso, líder histórico do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que antes do aparecimento de Bolsonaro era o grande rival do Partido dos Trabalhadores (PT), de Lula da Silva, já tinha dado a entender o seu apoio ao ex-presidente pouco antes da primeira volta, mas não o havia declarado abertamente.

Na ocasião, sem citar diretamente o candidato do PT, Fernando Henrique Cardoso pediu aos eleitores que votassem em candidatos que tivessem "o compromisso de combater a pobreza e a desigualdade, defender a igualdade de direitos para todos, independentemente de raça, género e orientação sexual, e se orgulhar da diversidade cultural de a nação brasileira."

Fernando Henrique Cardoso não votou no primeiro turno das eleições presidenciais, optando por ficar em casa devido à idade avançada.

Durante décadas, os dois ex-presidentes foram rivais políticos e símbolos da polarização entre PT e PSDB.

No entanto, os dois líderes selaram sua reaproximação em 2021, em plena pandemia de coronavírus, num encontro que foi captado por uma fotografia em que ambos aparecem usando máscara enquanto batem os punhos.

Nos últimos três dias, políticos e partidos começaram a movimentar as suas 'fichas' antes do segundo turno presidencial.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro recebeu apoio do governador reeleito do Distrito Federal, Ibanes Rocha, na corrida presidencial.

O presidente brasileiro também recebeu na terça-feira o apoio dos governadores dos três maiores estados do Brasil, incluindo São Paulo, principal colégio eleitoral do país, enquanto Lula da Silva se juntou ao Partido Trabalhista de Ciro Gomes, quarto colocado na primeira volta.

Lula da Silva também poderá receber nas próximas horas outro apoio importante, o da senadora Simone Tebet, que ficou em terceiro lugar nas eleições do último domingo, com cerca de 4% dos votos válidos.

+ notícias: Mundo

Irão desmente desmantelamento da "polícia da moralidade"

As declarações são vagas, mas afinal poderá não ser abolida a "polícia da moralidade" no Irão, tal como tinha sido avançado pelos meios de comunicação internacionais. O procurador-geral, Mohammad Jafar Montazeri, veio dizer que admite revisão das leis do hijab. Ativistas falam em propaganda destinada a travar vaga de protesto

Rússia garante que não vai vender petróleo ao preço definido pelo Ocidente

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, garante que não vai vender petróleo dentro do limite máximo de preços decretado por países ocidentais, mesmo que isso venha a ter como consequência uma redução na produção petrolífera russa.

 

Covid-19. França não descarta regresso da máscara

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu hoje não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por covid-19, e apelou à vacinação.