Manuel Pizarro dá início à dissolução da empresa da qual é sócio-gerente

| Política
Porto Canal

Manuel Pizarro, atual ministro da Saúde, comunicou, através de um esclarecimento enviado às redações, ter dado início ao processo de dissolução da empresa 'Manuel Pizarro - Consultadoria, Lda', da qual é sócio-gerente. Este comunicado surgiu depois da 'CNN Portugal' ter noticiado que o ministro da Saúde, após três semanas ded ter assumido o cargo, ainda era gerente de uma empresa na área da saúde.

Manuel Pizarro adiantou no comunicado que o "exercício de funções como ministro é incompatível com a integração em corpos sociais de pessoas coletivas de fins lucrativos" e, por isso, toma esta decisão por estar "ciente" da incompatibilidade.

O responsável pela pasta da Saúde explicou ainda que o o processo de dissolução ainda não se encontra concluído devido à necessodade de "proceder à venda deum ativo da empresa, um imóvel de 38 metros quadrados, localizado no Porto". 

Além disso, o comunicado referiu que o ministro da Saúde irá apresentar a "sua declaração única de rendimentos, património, interesses, incompatibilidades e impedimentos dentro do prazo previsto", ou seja, até 60 dias após a sua tomada de posse que aconteceu a 10 de setembro.

+ notícias: Política

Orçamento tem de ser "elástico para permitir vários cenários", considera Presidente da República

O Presidente da República considerou este sábado que o Orçamento do Estado tem de ser "elástico para permitir vários cenários" e apontou que "é preciso ir reajustando" a sua aplicação, uma vez que "há tanta incógnita" em relação ao futuro.

Presidente da República diz que Fernando Gomes "marcou o futebol português"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este sábado que o antigo avançado internacional português Fernando Gomes, que morreu aos 66 anos, "marcou o futebol português" e "foi determinante na afirmação" do país no estrangeiro.

Marcelo espera tempos "muito duros"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu este sábado que o próximo ano vai ser “o primeiro grande teste” do Governo e alertou que “como for 2023, assim dependerá o resto da legislatura”.